quarta-feira, 8 de março de 2017

Libertadores 1984: Flamengo a um passo do segundo título

Mais um magistral texto de Emmanuel do Valle no blog Flamengo Alternativo. Reproduzo a integra:

A uma semana da estreia do Flamengo na Copa Libertadores da América de 2017 a torcida rubro-negra começa a renovar a esperança e a expectativa de ver novamente o clube triunfando na principal competição sul-americana. A reconquista do torneio é uma obsessão do Fla e seus torcedores desde a vitória sobre o Cobreloa na decisão de 1981, que levou a taça pela primeira (e até hoje única) vez para a Gávea, especialmente por uma questão de reafirmação de sua força dentro do futebol do continente.

Sendo assim, entre torcedores, costuma-se lamentar muito a derrota para o Peñarol no Maracanã (1 a 0) na fase semifinal da Libertadores de 1982 como o fim do sonho do bicampeonato continental e a maior chance que o Flamengo teve de conquistar mais uma vez a competição. Mas foi na edição de dois anos depois, bem menos lembrada, que o clube esteve de fato mais perto, a um passo da decisão do torneio. E é essa a história que o Flamengo Alternativo relembra agora.

EM 1983, UM ANO DE MUDANÇAS
A história daquela participação começa no Brasileiro de 1983. Naquele tempo, o Brasil tinha dois representantes garantidos no torneio continental – o campeão e o vice nacionais. Sem contar, é claro, o caso de algum clube do país ser o atual campeão sul-americano, como foi o Grêmio naquele mesmo ano. O Fla carimbou o passaporte para sua quarta participação consecutiva no torneio ao passar pelo Atlético-PR nas semifinais da Taça de Ouro (nome do Brasileiro na época), antes de vencer o Santos na decisão.

Entre a conquista do Brasileiro, em maio de 1983, e a estreia na Libertadores, em fevereiro do ano seguinte, muita coisa mudou. O Fla viveu meses turbulentos. Zico foi vendido à Udinese italiana, o time entrou em assustador declínio técnico e fez péssima campanha na Taça Guanabara, Carlos Alberto Torres foi demitido do comando da equipe e o presidente Dunshee de Abranches renunciou ao cargo após uma derrota para o Botafogo, tudo isso antes do fim de setembro, quando uma verdadeira faxina começaria.

O ex-vice de Finanças Eduardo Mota assumiu interinamente a presidência, convocando eleições, vencidas por George Helal. Para o posto de treinador chegou Cláudio Garcia, que havia acabado de levar o Fluminense ao título do primeiro turno do Estadual. E o elenco sofreu grandes reformulações: com o dinheiro da venda de Zico em caixa, o Fla foi às compras e trouxe o centroavante Edmar (Cruzeiro), o ponta Lúcio (Guarani), o meia Cléo (Palmeiras), o centroavante Cláudio Adão (Benfica, em sua segunda passagem pelo clube), além dos jovens Heitor (lateral-direito da Ponte Preta) e Guto (zagueiro do XV de Jaú), ambos campeões mundiais com a Seleção sub-20 meses antes.

Mas a maior negociação foi desfazer a troca por empréstimo com o Grêmio que trouxe Baltazar para a Gávea e levou Tita para Porto Alegre. O ex-ponta-direita do Fla agora retornava para vestir a camisa 10 no lugar de Zico, o que sempre tinha sido seu sonho. Jogando com esse número, ele havia sido fundamental na conquista da Libertadores daquele ano pelo Tricolor gaúcho. Já o Artilheiro de Deus, que nunca chegara a convencer no Flamengo, acabaria vendido pelo Grêmio ao Palmeiras – com o Fla emprestando dinheiro ao clube paulista para concretizar a negociação.

A equipe então se recupera ao longo da Taça Rio, conquistada em jogo extra contra o Bangu – que havia goleado o Fla por 6 a 2 na Taça Guanabara. O título estadual não vem, mas a confiança já está de volta. Tanto que, para o ano seguinte, as contratações são apenas pontuais. As duas principais são o experiente goleiro argentino Ubaldo Fillol, vindo do Argentinos Juniors, e o ponta-esquerda João Paulo, ex-Santos.

Revista Placar, 1983

O ELENCO
Fillol já era contratação concretizada desde setembro de 1983. Vinha para o lugar de Raul, que se aposentara em dezembro aos 39 anos. Havia ainda a expectativa que preenchesse a lacuna não só de um grande goleiro, mas também como o grande ídolo do clube, deixada com a saída de Zico. Goleiro de longa experiência internacional, com participação em três Copas do Mundo e o título na de 1978, além de titular do River Plate por vários anos, era seguro sob as traves, exímio defensor de pênaltis, mas também gostava de jogar com os pés, antecipando a tendência mundial atual.

João Paulo, por sua vez, era sonho antigo do clube – que apesar de ter obtido sucesso com um esquema de jogo em que meias-armadores jogavam pelas extremas, volta e meia sondava pontas autênticos. Carioca, o jogador deixara a cidade pouco depois de se profissionalizar no São Cristóvão para integrar o time santista dos “Meninos da Vila”, campeões paulistas de 1978. Passara pela Seleção e fora o melhor jogador de seu clube na derrota para o Fla na decisão do Brasileiro de 1983. Assim, custaria a bagatela de Cr$ 350 milhões, mais o passe do volante Lino (que já estava na Vila Belmiro emprestado).

Além deles, havia o retorno de Nunes, após empréstimo ao Botafogo, a recuperação de Lico após cirurgia no joelho, a promoção definitiva dos ex-juvenis Bebeto, Bigu Adalberto e Zé Carlos (que mais adiante na carreira acrescentaria o “II” ao nome) ao elenco principal, além de uma contratação de menor impacto, a do jovem ponta-direita Toninho Cajuru, do Botafogo-SP.

Por outro lado, Cléo e Cláudio Adão não haviam aprovado em suas passagens no ano anterior e não permaneceriam. Também deixaram a Gávea outros jogadores que integravam o elenco há alguns anos, mas nunca se firmaram, como o centroavante Ronaldo Marques (Botafogo-SP), o meia-atacante Peu (Santa Cruz) e o ponta-esquerda Édson (Colorado-PR), além do empréstimo do jovem meia Adílson Heleno ao Operário-MS. E o meia Julio César, lançado por Carlos Alberto Torres no Brasileiro anterior, era emprestado ao Grêmio.

Assim, os 25 jogadores inscritos pelo Flamengo para a primeira fase da Libertadores seriam os goleiros Fillol, Abelha (que chegara ao clube após se destacar pela Ferroviária-SP no Brasileiro anterior) e Hugo; os laterais Leandro, Junior, Heitor e Adalberto; os zagueiros Figueiredo, Mozer, Marinho, Guto e Zé Carlos; os meias Andrade, Adílio, Tita, Vitor, Bigu e Élder; e os atacantes Lúcio, Edmar, João Paulo, Bebeto, Toninho Cajuru, Nunes e Lico.

O goleiro argentino Fillol e o ponta-esquerda João Paulo

OS PRIMEIROS ADVERSÁRIOS
A primeira fase da competição sul-americana seria disputada em paralelo ao Campeonato Brasileiro, entre fevereiro e maio. Incluído no Grupo 3, o Flamengo teria como rivais o Santos e os colombianos América de Cali e Atlético Junior, de Barranquilla. O time paulista já era um velho conhecido e tinha como novidade o goleiro uruguaio Rodolfo Rodríguez. Além dele, o ponto alto da equipe era o quadrado do meio-campo, formado por Dema, Lino, Paulo Isidoro e Pita, que criavam as jogadas para os gols de Serginho Chulapa.

Já os colombianos tinham equipes competitivas. O América, por exemplo, reuniu um dos melhores elencos do futebol colombiano e sul-americano daquela década, sagrando-se pentacampeão nacional entre 1982 e 1986. Chegaria ainda a três decisões consecutivas da Libertadores (em 1985, 1986 e 1987), além das semifinais em 1980 e 1983.

A equipe contava com o ídolo nacional Willington Ortiz (maior jogador surgido no país até então) e a revelação local Anthony De Ávila ao lado de reforços estrangeiros como o goleiro argentino Julio Cesar Falcioni, os paraguaios Gerardo González Aquino e Juan Manuel Battaglia e os peruanos César Cueto e Guillermo La Rosa (que disputaram a Copa de 1982).

O Atlético Junior, vice-campeão colombiano de 1983, tinha como principal destaque o atacante Alex Didi Valderrama, primo mais velho do meia Carlos Alberto Valderrama que disputaria as Copas de 1990, 1994 e 1998. Entre os demais nomes, havia também dois argentinos: o meia Carlos Ischia e o zagueiro Edgardo Patón Bauza (ele mesmo, o atual técnico da seleção Albiceleste).

A campanha rubro-negra na primeira fase daquela Libertadores foi irretocável, a melhor da história do clube na competição, superando a de 2007 no saldo de gols. E teve início de maneira espetacular no dia 11 de fevereiro, diante do Santos no Maracanã. O Fla saiu na frente aos 33 minutos: João Paulo puxou contra-ataque rápido pelo meio e foi calçado por Lino perto da meia-lua. Tita cobrou a falta na barreira, Adílio apanhou a sobra de cabeça e centrou. Depois de resvalar na defesa santista, Mozer apareceu como elemento-surpresa e pegou de primeira, enchendo o pé. Fla 1 a 0.

No segundo tempo viria a goleada: aos 11, numa saída malfeita do time santista, Mozer se antecipou a Serginho na intermediária e desceu pela esquerda tal qual um ponta. No bico da área, fintou Toninho Oliveira e disparou um petardo indefensável. Golaço. Lino descontaria para o Santos aos 28, mas o Fla seguiria imparável.

Aos 34, Lico (que entrara no lugar de João Paulo) limpou três jogadores santistas com um só toque e bateu rasteiro da entrada da área no canto de Rodolfo Rodríguez. O quarto gol rubro-negro viria aos 38: Nunes, na meia-esquerda, abre para Adílio na ponta e o camisa 8 joga na linha de fundo para Lico, que cruza, encontrando Tita sozinho na área para desferir uma cabeçada inapelável. Fla 4 a 1, fora o baile.

No outro jogo de abertura da chave, o América de Cali derrotava em casa o Atlético Junior por 2 a 0. A Colômbia, aliás, seria a próxima parada para o Fla na Libertadores no fim de março, jogando no dia 27 (terça-feira) contra o América em Cali e dois dias depois em Barranquilla contra o Junior. Duas partidas difíceis.

Mozer, capa da Revista Placar em 1984

BONS RESULTADOS NA COLÔMBIA
Contra o América, um jogo muito travado, “pegado”, no qual o adversário tentava ameaçar em jogadas de velocidade nas costas do setor defensivo rubro-negro. Precavido, o técnico Cláudio Garcia alterou o time em relação ao jogo com o Santos, tirando os pontas e escalando Bigu ao lado de Andrade como uma dupla de volantes, tendo à frente uma linha com Lico pela direita, Tita centralizado e Adílio pela esquerda, com Nunes sozinho mais à frente.

Aos 22, o Fla abriria o placar depois que Leandro tabelou com Tita e bateu rasteiro, da entrada da área, para vencer Falcioni. Mas três minutos depois, Penagos empataria de cabeça após escanteio. O Fla teria ainda pelo menos três chances claras de gol com Lico, Andrade e Nunes (este, acertando a trave). E ainda perderia Leandro, lesionado após levar um pontapé de González Aquino ainda no primeiro tempo, e Nunes, expulso após revidar uma entrada do mesmo jogador. Eram duas baixas para o jogo seguinte.

Contra o Atlético Junior, o Flamengo entrou em campo com Adalberto na lateral-esquerda e Junior na direita, no lugar de Leandro. Na frente, Edmar ganhou a vaga de Nunes, suspenso. Mas aos 30 minutos, antes de o placar ser movimentado, Cláudio Garcia já mudara completamente o esquema: Adalberto dera lugar ao ponta João Paulo, com Junior voltando para a esquerda e Bigu entrando na lateral-direita.

E o primeiro gol rubro-negro saiu três minutos depois: Adílio passou para Edmar, que entrava livre pelo meio da defesa. O atacante driblou o goleiro Pogany e tocou para o gol vazio. Aos 38, no entanto, Junior falhou e Fillol foi obrigado a cometer pênalti em Barrios. Galván bateu e empatou. No segundo tempo, o Fla passaria novamente à frente aos 33, quando Edmar driblou seu marcador e foi à linha de fundo cruzando para o gol de Tita. No último minuto, porém, a vitória esteve ameaçada: Figueiredo cometeu pênalti, dando aos colombianos a chance da nova igualdade. Mas Fillol – que fez partida excepcional – pulou no canto certo e defendeu a nova cobrança de Galván.



Os resultados obtidos na Colômbia deixaram o Fla em excelente situação na tabela. E ela ficaria melhor ainda depois do perde-e-ganha registrado nos outros jogos disputados no começo de abril: o Santos venceu o Atlético Junior por 3 a 0 em Barranquilla, mas perdeu para o América em Cali por 1 a 0. No novo duelo entre os colombianos, por sua vez, o Junior se recuperou goleando o América por 4 a 1, embolando a situação dos três adversários do Flamengo.

GOLEADAS CONFIRMAM VAGA
O Rubro-Negro estaria de volta a campo pela competição no dia 20 de abril contra o Santos no Morumbi. Numa Sexta-Feira Santa, o Fla deu mais um chocolate na equipe paulista: 5 a 0, com gols de Bebeto, Mozer, Edmar e dois de Tita (um deles convertendo pênalti sofrido por Andrade). Foi tamanho baile em campo que só restou aos desnorteados jogadores do Peixe apelar para a violência, com o volante Dema e o zagueiro Toninho Carlos expulsos por pontapés. A história completa daquele jogo já foi contada aqui neste post.

Uma semana depois, o América de Cali também derrotaria o Santos, mas na Vila Belmiro (1 a 0), antes de ir ao Rio enfrentar o Flamengo. Naquela altura, os dois clubes ponteavam a classificação, ambos com sete pontos, mas enquanto os colombianos fariam no Maracanã seu último jogo na primeira fase, o Fla ainda receberia o Atlético Junior. De modo que mesmo o empate deixaria os rubro-negros em situação bastante confortável.

Ainda no primeiro tempo, porém, a vitória já estava encaminhada. O primeiro gol veio em jogada bem tramada, iniciada por Élder pelo lado direito e passando por Junior, Edmar e Bebeto até chegar a Adílio, que bateu cruzado da entrada da área. Depois seria a vez de Bebeto ampliar escorando cruzamento de Adílio, após escapada do meia pela ponta direita. O terceiro gol veio aos 41 minutos. Élder recebeu na intermediária e carregou com muita categoria até a entrada da área, quando passou a Edmar na esquerda. O centroavante fintou o lateral e foi à linha de fundo, cruzando para o próprio Élder concluir para as redes.

Na etapa final, o America descontou aos 20, em chute forte do peruano Cueto da meia-lua. Mas o Fla voltou a ampliar quando Bebeto ganhou do lateral, desceu pela ponta direita e cruzou. Tita fez o corta-luz e Edmar tocou para o gol. No fim, Cueto deu números finais ao placar em outro chute de fora da área, mas desta vez tendo a ajuda do goleiro Abelha, substituto de Fillol.

A boa vitória por 4 a 2 diante do principal adversário garantia a classificação do Flamengo para a fase semifinal da Libertadores. Uma semana depois, na última partida da primeira fase, nova vitória tranquila no Maracanã, desta vez sobre o Atlético Junior, de Barranquilla, por 3 a 1. O destaque do jogo foi Edmar, autor dos três gols rubro-negros.

No primeiro, o centroavante recebeu passe de Élder por trás da defesa colombiana, driblou o goleiro e tocou para as redes. No segundo, depois do empate do adversário, apanhou uma sobra de bola na marca do pênalti e desferiu um belo chute que entrou no ângulo de Pogany. E no terceiro, escorou de cabeça um cruzamento de Adílio da direita. Com esse resultado, o Fla fechava a primeira etapa do torneio com cinco vitórias e um empate nas seis partidas disputadas. Marcara expressivos 19 gols (média de mais de três por jogo) e sofrera seis.

O CALDEIRÃO POLÍTICO FERVE
Apesar da brilhante campanha, o ambiente no clube naqueles dias não era nada bom. Entre um jogo e o outro contra os colombianos no Maracanã, o Flamengo foi eliminado de maneira até surpreendente nas quartas de final do Brasileiro, goleado pelo Corinthians por 4 a 1 no Morumbi, depois de ter vencido por 2 a 0 no Rio no jogo de ida. E a desclassificação, considerada precoce e desastrosa, recolocou em pauta velhas divergências internas entre dirigentes.

Logo após a queda diante do Corinthians, o técnico Cláudio Garcia e o supervisor Roberto Seabra colocaram os cargos à disposição. Seabra foi demitido pelo presidente George Helal, mas o ex-mandatário Márcio Braga interveio, e a decisão foi reconsiderada. Foi o bastante para que o diretor de futebol Paulo Orro e o procurador geral do clube Michel Assef renunciassem a seus postos. Assef também queria a saída do vice-presidente Gilberto Cardoso Filho, que, por sua vez, vinha pressionando desde dezembro (com a perda do Estadual) pela demissão de Seabra.

O fim das contas, o supervisor saiu mesmo, e mais tarde seria a vez de Cláudio Garcia, que entregou o cargo, e de Gilberto Cardoso Filho. Assef e Orro foram mantidos, apesar de os jogadores se manifestarem favoráveis à saída de ambos. Para o comando do time, a lista de candidatos incluía Mário Travaglini e Jorge Vieira, mas o posto acabou ficando mesmo com o favorito Zagallo, apresentado em 29 de maio.

TRANSFERÊNCIAS, PARTE DOIS
Outra movimentação que não parou durante todo esse período foi a de transferências. Em 19 de abril, ainda com o Brasileiro e a primeira fase da competição continental em pleno andamento, o Flamengo negociou Marinho e Vitor – ambos sem espaço no time de Cláudio Garcia – com o Atlético-MG. O zagueiro foi vendido, enquanto o volante foi trocado por empréstimo até o fim do ano pelo jovem atacante Marcus Vinícius, de 20 anos.

Mais tarde, outra negociação impactaria a equipe de maneira mais profunda. Em 15 de junho o lateral-esquerdo Junior encerrava seu primeiro ciclo no clube ao ser negociado com o Torino, da Itália, por fabulosos Cr$ 1,8 bilhão. Enquanto isso, no mesmo dia, chegava à Gávea o também lateral Jorginho, do America, trocado pelo ponta Lúcio mais Cr$ 200 milhões. O novo reforço, no entanto, não poderia ser escalado pela Libertadores (diferentemente de Marcus Vinícius), já que as inscrições estavam encerradas.

Além das transferências concretizadas, muita conversa e especulação rolou naquele período. Entre elas, a que rendeu conversas mais extensas envolveu o Internacional, que desde o início do ano expressava interesse em ter Nunes. A proposta discutida por mais tempo seria a da vinda do zagueiro Mauro Galvão e do ponta-esquerda Mário Sérgio (que voltaria à Gávea 14 anos depois de ter sido revelado pelo Fla) enquanto o centroavante rubro-negro iria para o Inter, juntamente com os mesmos Marinho e Vitor negociados depois com o Atlético-MG. Mas a que ficou mais perto de ser concluída foi a troca simples por empréstimo de Nunes por Galvão, que chegou a vir ao Rio e acertar salários com o Flamengo.

Havia ainda na mesa do presidente George Helal uma proposta por Nunes do pequeno Como, recém-promovido à Série A italiana, mas as negociações não foram adiante. E em julho, o clube tentaria trazer o centroavante Reinaldo, envolvendo-o numa troca por Adílio, sem sucesso.

AS SEMIFINAIS
A bola só voltou a rolar pela Libertadores no fim de junho. Nas semifinais, o Flamengo foi incluído no Grupo 2, ao lado do velho conhecido Grêmio – atual campeão sul-americano e que, por isso, já entrou diretamente naquela fase – e da surpresa venezuelana Universidad Los Andes (mais conhecida como ULA), da cidade de Mérida, que se classificou após vencer o peruano Sporting Cristal num jogo extra que decidiu o Grupo 5 da primeira etapa. No time da ULA, o destaque era um brasileiro, o desconhecido ponta-esquerda Itamar, ex-Madureira.

Para a primeira partida contra o Grêmio, na noite de terça-feira, 26 de junho, os problemas no setor defensivo eram muitos. A começar pela lateral direita, onde não só Leandro como também seu reserva imediato Heitor estavam lesionados. O jeito foi improvisar, deslocando o volante Bigu. Na esquerda, a venda de Junior forçaria a efetivação do jovem Adalberto. E para ambos os lados, havia a ausência do recém-contratado Jorginho, que não pôde mesmo ser inscrito na competição. No miolo da defesa, Figueiredo era outra baixa por lesão. Sem poder deslocar Leandro pelo mesmo motivo, outro jovem – Guto – acabou escalado ao lado de Mozer.

Mas a escalação da defesa seria apenas a primeira infelicidade da partida. Haveria ainda a inexplicável decisão de entrar com camisas de mangas curtas numa gélida noite de inverno em Porto Alegre, com temperatura na casa dos três graus. Haveria também a falta de sorte de Edmar, lesionado no joelho ainda na metade da primeira etapa e substituído por Marcus Vinícius – baixando ainda mais a média de idade da equipe num jogo em que experiência contava muito.

Com tudo isso pesando contra o Flamengo, o Grêmio não teve dificuldades para golear: Osvaldo abriu o placar logo aos cinco minutos, Tita chegou a dar esperanças aos rubro-negros empatando aos 11, mas Fillol falhou no gol de Caio, o segundo gremista aos 23, e daí em diante tudo rolou ladeira abaixo. O mesmo Osvaldo fez o terceiro pouco antes do fim do primeiro tempo, Renato Gaúcho ampliou na etapa final, e Tarciso – aproveitando um presente de Bigu – marcou o quinto, encobrindo o arqueiro argentino. A desastrosa estreia nesta fase só não trouxe maiores consequências porque, num primeiro momento, o saldo de gols não decidia a vaga.


Mesmo assim, a derrota deixava o Flamengo quase na obrigação de vencer seus três jogos que restavam (os dois contra a ULA e a partida contra o Grêmio no Maracanã), de preferência pela maior diferença de gols possível. A missão até que começou bem-sucedida: na sexta-feira, a vitória fácil por 3 a 0 diante da ULA em Caracas ajudou a aliviar o saldo negativo da estreia. Improvisado como centroavante, Tita abriu o placar cobrando pênalti de Sánchez em Élder. Na etapa final, Andrade foi à linha de fundo e cruzou para a cabeçada de João Paulo – um raro gol do ponteiro em sua passagem pela Gávea. Depois, Tita bateu outro pênalti (este de Álvarez em Adalberto) e fechou a contagem.

A semana seguinte também trouxe resultados que melhoraram o cenário para o Flamengo. Na terça, o Grêmio foi à Venezuela e venceu a ULA por um gol a menos que o Fla havia feito, 2 a 0. E na sexta, no Maracanã, o Fla conseguiu vitória fundamental sobre os gaúchos para seguir sonhando com a classificação. Nem mesmo a perda de Figueiredo com uma fratura no pulso logo aos dez minutos baixou o ânimo rubro-negro. Heitor entrou na lateral, Leandro passou para a zaga e o time passou a encurralar os gremistas, buscando devolver a goleada sofrida em Porto Alegre.

E esteve bem perto disso. Aos 24 minutos, Andrade recebeu de Tita na intermediária e soltou a bomba na gaveta de João Marcos, abrindo o placar. Perto do fim do primeiro tempo, Mozer cobrou falta de longe e o goleiro gremista deu rebote, que Élder foi buscar na linha de fundo. O meia cruzou para a cabeçada de Bebeto, livre no meio da zaga de grandalhões do Tricolor gaúcho, ampliando o marcador. Na volta para a etapa final, logo aos 10 minutos, o Fla abriu 3 a 0 quando Adílio lançou João Paulo em velocidade, e o ponta esperou a saída de João Marcos para servir a Bebeto no meio da área. Depois de desperdiçar outras chances em contra-ataques, o Fla acabou levando o gol de honra gremista, marcado por Guilherme, após escanteio.

O fiel da balança agora seria a ULA. Mas o Flamengo entraria em desvantagem: com apenas um gol de saldo, contra três do Grêmio, precisaria vencer os venezuelanos por três gols a mais que o Grêmio faria numa eventual vitória diante da ULA em Porto Alegre para ter a vantagem do empate no jogo extra contra os gaúchos que decidiria o grupo. Na terça seguinte, os tricolores aplicariam um sonoro 6 a 1 diante dos venezuelanos. Por mais fraca que fosse a equipe da Universidad Los Andes, a missão rubro-negra era muito complicada.

A partida contra a ULA no Maracanã chega a lembrar as várias histórias trágicas de jogos recentes do Flamengo em competições sul-americanas, tanto pela atuação da equipe quanto pelo desenrolar do jogo. Ciente de que precisava golear, o time entrou nervoso em campo. O drama aumentaria quando, inacreditavelmente, a ULA abriria o placar com o brasileiro Itamar, de cabeça após escanteio, logo aos 13 minutos. E o desespero tomou conta.

Com o time venezuelano fechado na defesa, o Flamengo errava o que podia e o que não podia. Todos os cruzamentos pousavam nas mãos de Baena (curiosamente homônimo do primeiro arqueiro da história rubro-negra, lá em 1912). Quando a equipe conseguia criar alguma chance, o goleiro venezuelano aparecia para operar alguns milagres. Para um time que precisava ganhar de oito, o Fla foi para o intervalo perdendo de 1 a 0 em casa.

Na volta, logo aos três minutos, Tita empatou também de cabeça. Agora, mais importante que golear era simplesmente vencer para evitar a eliminação num vexame inacreditável, mesmo que depois fosse preciso encarar o Grêmio em desvantagem. E a vitória só veio a seis minutos do fim do jogo, num gol redentor de Adílio, também de cabeça. ULA? Ufa!

A UM GOL DA FINAL
O jogo desempate veio dali a uma semana, numa noite de quinta-feira, no Estádio do Pacaembu. No domingo anterior, o Flamengo finalmente estreara no Campeonato Estadual derrotando o Botafogo por 1 a 0, gol de Nunes. E o centroavante, reintegrado ao elenco depois de ser descartado por Zagallo, agora era tido como a arma secreta do treinador para o jogo extra.

No Pacaembu com bom público (pouco mais de 53 mil torcedores), o Fla foi melhor durante todo o tempo normal, apesar de nem sempre jogar certo. Com o Grêmio atuando fechado, com a vantagem do empate em 120 minutos debaixo do braço, as melhores chances foram rubro-negras, com Bebeto no primeiro tempo e com Adílio, Nunes e Andrade no segundo. Mas de um modo geral, foi um jogo muito truncado, tenso, faltoso.

A prorrogação foi toda do Flamengo que, no entanto, atacava mais na base da bola alçada, o que facilitava o trabalho da defesa gremista, mais alta e mais forte fisicamente. Mesmo assim, ainda houve duas chances claras de gol com Tita, o melhor jogador em campo: uma parando no goleiro João Marcos (verdadeiro paredão no gol gaúcho naquele dia) e outra salva em cima da linha por De León. Mas o empate sem gols prevaleceu, e o Grêmio avançou para enfrentar o Independiente na decisão – a qual perderia, derrotado em pleno Olímpico por 1 a 0 no jogo de ida e parando num 0 a 0 em Avellaneda na partida de volta.

BALANÇO FINAL
Mesmo enfrentando diversas turbulências nos bastidores, troca de treinador e o desmantelamento do elenco ao longo do torneio, a campanha de 1984 merece ser lembrada pelos números muito bons que teve: oito vitórias nos 11 jogos, contra apenas dois empates e uma derrota. Foram 28 gols marcados – dos quais oito por Tita, que se sagraria o artilheiro da competição – e 13 sofridos.

Naquela noite de 19 de julho de 1984 (que já era madrugada do dia 20 quando a partida terminou) no Pacaembu, o Flamengo ficou a um gol, a uma vitória de jogar sua segunda decisão da Libertadores. Nunca mais chegaria tão perto da final do torneio. No máximo, alcançaria as quartas de final nas duas participações seguintes, em 1991 e 1993, e posteriormente em 2010.

A esperança da torcida para 2017 é, claro, voltar a subir ao topo da América. Mas chegar longe no torneio, como fez em 1984 (e não vem fazendo nas últimas participações), já vai ter ajudado enormemente na recuperação da autoestima do Flamengo como força em termos continentais.

* * *

Time-base da primeira fase (fevereiro-maio de 1984): Fillol; Leandro, Figueiredo, Mozer e Junior; Andrade, Bigu e Tita; Lico (ou Lúcio ou Bebeto), Edmar e Adílio. Técnico: Cláudio Garcia. Artilheiro na fase: Edmar (6 gols).

Time-base da fase semifinal (junho-julho de 1984): Fillol; Leandro, Guto, Mozer e Adalberto; Andrade, Élder e Adílio; Bebeto, Tita e João Paulo. Técnico: Zagallo. Artilheiro na fase: Tita (4 gols).

Time-base na competição: Fillol, Leandro, Figueiredo, Mozer e Junior (ou Adalberto); Andrade, Adílio e Tita; Bebeto, Edmar (ou Bigu ou Élder) e João Paulo. Artilheiro na competição: Tita (8 gols)


Veja aqui no blog também:



Libertadores 2017: o Flamengo começa a escrever um novo capítulo?


Nenhum comentário:

Postar um comentário