quinta-feira, 20 de outubro de 2016

O Rei do Rio: a caminhada do 21º até o 30º título do Carioca

Esta postagem é inspirada no livro "O Rei do Rio", de Celso Unzelte, publicado em 2009 pela Globo Livros, mas embora se inspire neste trabalho, não o reproduz aqui, objetivo de como a história é aqui mostrada é outro. A série também só pode ser elaborada graças ao trabalho do livro "História dos Campeonatos Cariocas de Futebol", de Roberto Assaf e Clóvis Martins, publicado em 2010 pela Editora Maquinária. Por fim, há que se mencionar que todo o trabalho de imagens só foi possível graças ao excepcional trabalho histórico do site Fla-Estatística (www.flaestatistica.com.br), obra de Arturo Vaz e Celso Júnior.

Eis então a Caminhada Rubro-Negra que o tornou o Rei do Rio, detalhando aqui as conquistas do 21º ao 30º título de Campeão Carioca de Futebol: 1981, 1986, 1991, 1996, 1999, 2000, 2001, 2004, 2007 e 2008.

A corrida ao 10º título carioca fechou com a conquista do Primeiro Tri. A corrida daí até o 20º título começou no Segundo Tri e terminou com a conquista do Terceiro Tri. Já a corrida até o 30º começou com o maior time da história rubro-negra, passou pelo Quarto Tri, e foi concretizada no meio do Quinto Tri.


Time titular em 1981: Raul, Leandro, Marinho, Mozer e Júnior; Andrade, Adílio e Zico; Tita, Nunes e Lico. Téc: Paulo César Carpegiani.

O título do Carioca de 81 foi disputado e conquistado em paralelo à conquista da Libertadores. E logo depois da conquista, aquele time iria enfrentar e vencer ao Liverpool, em Tóquio, pela Copa Intercontinental. O campeonato de 81 teve três turnos. O Flamengo venceu ao 1º ao 3º, fazendo a final contra o Vasco, vencedor do 2º. Na campanha dos três turnos, o time rubro negro venceu três vezes a Madureira, Americano, Campo Grande e Olaria; obteve duas vitórias e um empate diante de Serrano, América e Volta Redonda; uma vitória e dois empates frente ao Bangu; uma vitória, um empate e uma derrota contra Vasco, Fluminense e Botafogo (contra quem a vitória foi o histórico 6 x 0). Vencedor de dois turnos e dono da melhor campanha geral, o Flamengo avançou à final com dois pontos de bonificação. Perdeu os dois primeiros jogos da final para o Vasco, por 2 x 0 e 1 x 0, tendo a vantagem invertida. No terceiro jogo, só a vitória lhe dava o título. o empate era vascaíno. Com dois gols, um de Adílio e outro de Nunes, fez 2 x 0 no 1º tempo,o Vasco diminuiu aos 37 do 2º tempo. Pressionava pelo empate quando um torcedor rubro-negro, o ladrilheiro, invadiu o campo, dando início a uma grande confusão. O jogo terminou 2 x 1 e o título foi rubro-negro.

Os campeões de 1981

Depois de viver o auge de sua história entre 1980 e 1983, o time chegou perto, mas não conquistou títulos em 1984 e 1985. Repatriou Zico em 1985, mas a fratura na perna sofrida após dura entrada do lateral-direito Márcio Nunes, do Bangu, fez com que sua presença fosse inconstante. Investiu pesado em 1986 ao repatriar Sócrates, mas seu físico também atrapalhou. Em 1986, sonhou ganhar tudo com um meio de campo formado por Andrade, Sócrates e Zico, mas quem lhe deu o título que interrompeu o jejum foi uma nova geração de garotos emergidos das divisões de base da Gávea.


Time titular em 1986: Zé Carlos, Jorginho, Leandro, Aldair e Adalberto; Andrade, Ailton e Adílio (Júlio César); Bebeto, Vinícius e Marquinho. Téc: Sebastião Lazaroni.

O Carioca de 86 já começou bem, logo na 1ª rodada, um Fla-Flu marcou a volta de Zico após a fratura na perna, e a estréia em jogos oficiais do novo contratado, Sócrates. O Flamengo venceu por 4 x 1, três gols de Zico e um de Bebeto. Mas lesões tiraram a dupla Sócrates e Zico do time durante a maior parte do campeonato, disputado em dois turnos, com o vencedor de cada turno fazendo a final. O Flamengo venceu duas vezes a Fluminense, Mesquita, Olaria, América e Portuguesa; obteve uma vitória e um empate contra Campo Grande e Goytacaz; dois empates contra o Americano; um empate e uma derrota diante do Bangu; e teve uma vitória e uma derrota frente a Botafogo e Vasco. O Vasco foi o campeão da Taça Guanabara (1º turno), e o Flamengo venceu a Taça Rio (2º turno), ao bater o time vascaíno por 3 x 2 na última rodada, com dois gols de Bebeto e um de Marquinho Carioca. Os dois times fizeram a final, e com isto se enfrentaram em quatro jogos seguidos, incluindo a final do returno. O time da cruz de malta era mais experiente e mais técnico, com Roberto Dinamite, Geovani e Romário. Mas a garotada rubro-negra encarou. Os dois primeiros jogos da final terminaram empatados em 0 x 0. No terceiro jogo, vitória rubro-negra por 2 x 0, gols de Bebeto e Júlio César Barbosa.

Os campeões de 1986

Depois de perder três finais de Carioca consecutivas, em 1987 e 1988 para o Vasco, e em 1989 para o Botafogo, e de fazer uma campanha ruim em 1990, o Flamengo voltou a conquistar o título em 1991.


Time titular em 1991: Gilmar, Charles Guerreiro, Wilson Gottardo, Júnior Baiano e Piá; Uidemar, Júnior, Nélio e Zinho; Paulo Nunes e Gaúcho. Téc: Carlinhos.

O Fluminense foi o campeão da Taça Guanabara (1º turno) e se classificou antecipadamente para a final. No acumulado dos dois turnos, o Flamengo venceu duas vezes a América, Bangu e Vasco; venceu uma e empatou outra contra Itaperuna, América de Três Rios, Americano, Campo Grande e Botafogo; empatou uma e perdeu outra frente ao Fluminense; e só jogou uma vez (houve ascenso e descenso entre a 1ª e a 2ª divisão entre um turno e outro) contra quatro adversários, tendo vencido os quatro, frente a Volta Redonda, Portuguesa, Goytacaz e São Cristóvão. O time rubro-negro teve o título do 2º turno nas mãos quando, na última rodada, fez 2 x 0 sobre o Botafogo no 1º tempo, mas deixou o adversário reagir no 2º tempo, com o jogo terminando 2 x 2. Os dois terminaram empatados em pontos, tendo sido necessário um jogo desempate para decidir o adversário do Fluminense na final. O Flamengo venceu ao Botafogo por 1 x 0, gol de Gaúcho, e conquistou a Taça Rio (2º turno). Na final, após um empate de 1 x 1 no primeiro jogo, o segundo terminou numa convincente vitória flamenguista por 4 x 2 que sacramentou a conquista do título carioca.

Os campeões de 1991

Depois de ser Campeão Carioca de 1991 e Campeão Brasileiro de 1992, o Flamengo fez uma temporada mediana em 1993, uma péssima temporada em 1994, e viu o fracasso dos superinvestimentos feitos na temporada do Centenário em 1995, quando perdeu a final do Carioca com o gol de barriga marcado por Renato Gaúcho para o Fluminense. Só em 1996 que os superinvestimentos trouxeram resultado, com um elenco que sobrou em qualidade frente aos demais.


Time titular em 1996: Roger, Zé Maria, Jorge Luís, Ronaldão e Gilberto; Mancuso, Márcio Costa e Nélio; Marques, Romário e Sávio. Téc: Joel Santana.

A força do time de Joel Santana em 2006 estava no elenco, pois o Flamengo tinha um banco de reserva fortíssimo. Joel ganhou o Carioca em 1992 e e 1993 com o Vasco, em 1995 pelo Fluminense, em 1996 com o Flamengo e em 1997 pelo Botafogo, consagrando-se como melhor técnico do Rio nestes tempos. O time rubro-negro venceu os dois turnos, tendo sido campeão invicto. Venceu duas vezes a Volta Redonda, Barreira, Olaria, Itaperuna, Madureira, Americano e América; e venceu uma e empatou outra contra Bangu, Botafogo, Fluminense e Vasco. O jogo do título foi um empate em 0 x 0 com o Vasco na última rodada do returno.

Os campeões invictos de 1996

Em grave crise financeira após a era de superinvestimentos vivida entre 1995 e 1998, o time rubro-negro em 1999 e em 2000 era muito mais limitado tecnicamente que o rival Vasco, que vinha de uma sequência avassaladora com as conquistas do Brasileiro de 1997 e da Libertadores da América de 1998. Foi com muita superação, no entanto, que o Flamengo conquistou seu Quarto Tri, batendo o adversário três vezes consecutivas na final.


Time titular em 1999: Clemer, Pimentel, Fabão, Luís Alberto e Athirson; Leandro Ávila, Jorginho, Beto e Rodrigo Mendes; Leandro Machado e Romário. Téc: Carlinhos.

O time do Vasco era tecnicamente muito superior ao rubro-negro, tinha Juninho Pernambucano, Edmundo, Felipe, Ramon, Donizete e Mauro Galvão. Já foi surpresa o título da Taça Guanabara (1º turno) ter sido do Flamengo, que venceu ao Vasco na última rodada por 2 x 1, gols de Athirson e Romário. Na final da Taça Rio (2º turno), o Vasco se vingou, 2 x 0, dois gols de Edmundo. E os rivais foram fazer a final. Na campanha rubro-negra, o time venceu duas vezes a Olaria, Bangu, Itaperuna, Americano, Friburguense e Madureira; venceu uma e perdeu outra frente a Botafogo e Vasco; e empatou uma e perdeu outra no confronto com o Fluminense. Na final, o Vasco, por ter a melhor campanha, ainda levava a vantagem de dois resultados iguais. No primeiro jogo, o Flamengo conseguiu arrancar um empate nos minutos finais, com gol de Fábio Baiano, um 1 x 1 que seria fundamental para o segundo jogo. O risco na decisão aumentou quando Romário saiu lesionado logo nos minutos iniciais da segunda partida, dando lugar a Caio Ribeiro. O empate sem gols, que dava o título ao Vasco, arrastava-se. Até que Caio sofreu uma falta aos 31 minutos do 2º tempo, que Rodrigo Mendes bateu e colocou na rede do goleiro Carlos Germano. Flamengo 1 x 0 Vasco.

Os campeões de 1999

No final do ano de 1999, após a partida que eliminou o Flamengo do Campeonato Brasileiro, contra o Juventude, os jogadores foram flagrados na Festa da Uva, em Caxias do Sul. O episódio terminou com a rescisão do contrato de Romário, que, mandado embora, voltou para São Januário para defender o Vasco.


Time titular em 2000: Clemer, Maurinho, Juan, Luís Alberto e Athirson; Leandro Ávila, Mozart, Beto e Rodrigo Mendes; Reinaldo e Tuta. Téc: Carlinhos.

O filme se repetiu em 2000. time do Vasco tinha Juninho Pernambucano, Edmundo, Romário, Felipe, Pedrinho, Viola e Mauro Galvão. Os vascaínos atropelaram o Flamengo na final da Taça Guanabara, goleando por 5 x 1. O time rubro-negro, que tinha o luxo de ter no banco ao recém-contratado Dejan Petkovic, venceu a Taça Rio, repetindo a final do ano anterior. Na campanha, duas vitórias sobre América, Madureira, Olaria, Friburguense, Bangu e Fluminense; e um empate e uma derrota para Americano, Botafogo e Vasco. Dois times só jogaram o 1º turno, sendo eliminados ao fim dele, e não avançando ao 2º turno, no confronto com eles, vitória no Volta Redonda e empate com a Cabofriense. Na final, o Flamengo devolveu o traumático 5 x 1 ao Vasco, só que de forma parcelada. No 1º jogo da final, uma vitória surpreendente por 3 x 0, gols de Athirson, Fábio Baiano e Beto, e no 2º jogo, nova vitória, agora por 2 x 1, gols de Reinaldo e Tuta. Mengão Bi-campeão!

Os campeões de 2000

O Flamengo voltou a investir pesado a partir do 2º semestre de 2000, após fechar uma parceria com a ISL, empresa de marketing esportivo, acordo este que viria a ser extremamente letal para o cofres do clube nos anos seguintes. Mas com este aporte de capital, a diferença técnica entre as equipes de Vasco e Flamengo que existia nos anos anteriores, não existia mais em 2001.


Time titular em 2001: Júlio César, Alessandro, Juan, Gamarra e Cássio; Leandro Ávila, Rocha, Beto e Petkovic; Reinaldo e Edilson. Téc: Zagallo.

O time vascaíno em 2001 ainda era bastante forte, com Juninho Paulista, Viola, Euller e Pedrinho, mas já não mais tão forte quanto nos dois anos anteriores. E o time rubro-negro era mais maduro, com a liderança do paraguaio Gamarra na zaga, o refino do sérvio Petkovic no meio, e o fato de gol do atacante Edilson, o Capetinha, na área. O formato do campeonato mudou. Na Taça Guanabara foram dois grupos de seis se enfrentando entre si, com os dois primeiros avançando para fazer semi-final e final em jogo único. Na Taça Rio, os doze se enfrentavam, com o campeão saindo em pontos corridos. Assim, a campanha rubro-negra teve duas vitórias sobre Olaria, Volta Redonda e Bangu; uma vitória e uma derrota para Americano; e um empate e uma derrota para o Botafogo. Frente aos demais, vitórias sobre Friburguense, Madureira, Cabofriense e Fluminense, empate com o Vasco, e derrota para o América. O Flamengo foi à final por ter vencido a Taça Guanabara, depois de bater ao Vasco por 1 x 0 na semi-final e empatar em 1 x 1 com o Fluminense na final, vencendo por 5 x 3 nos pênaltis graças a uma "cobrança espírita" do lateral esquerdo Cássio, na qual a bola bateu no travessão e subiu, e enquanto a torcida tricolor comemorava, desceu, quicou próxima à linha e entrou. A final foi mais uma vez diante do Vasco, que tinha a vantagem de dois resultados iguais. Venceu o 1º jogo por 2 x 1, ficando muito próximo ao título. No 2º jogo, Edilson fez dois gols, mas o placar apontava um 2 x 1 que dava o título ao Vasco. Até que aos 43 minutos do 2º tempo, Perkovic cobrou magistralmente uma falta que entrou no ângulo do goleiro Hélton. 3 x 1. Tri!

Os campeões de 2001

Após o buraco financeiro deixado pela desastrosa parceria com a ISL, o Flamengo viveu entre 2002 e 2006, um dos piores momentos de sua história. O futebol carioca, como um todo, estava imerso numa grave crise. O formato do calendário do futebol brasileiro mudou a partir de 2003, com o campeonato nacional passando a ser mais longo e por pontos corridos, e os Estaduais se restringindo a três meses de disputa.


Time titular em 2004: Júlio César, Rafael, Henrique, Fabiano Eller e Roger Guerreiro; Da Silva, Douglas Silva, Ibson e Zinho; Felipe e Jean. Téc: Abel Braga.

No modelo de Estadual mais enxuto, na campanha de 2004, o Flamengo venceu a Cabofriense, Madureira, Portuguesa e Fluminense, empatou com Friburguense, Americano e Bangu, e perdeu para América, Olaria, Botafogo e Vasco. Chegou à final por ter sido campeão da Taça Guanabara, na qual venceu ao Vasco por 2 x 0 na semi-final, e ao Fluminense por 3 x 2 na final. Com isto garantiu a vaga na decisão para enfrentar ao Vasco, de Philipe Coutinho e Beto. Venceu o 1º jogo por 2 x 1, e o 2º jogo por 3 x 1, com três gols de Jean. Depois de ter vencido o adversário nas finais de 1999, 2000 e 2001, a torcida não perdoou, entoando das arquibancadas "Vice de novo!", para desespero dos jogadores vascaínos dentro de campo, que se descontrolaram e passaram a distribuir agressões, acabando com quatro jogadores expulsos.

Os campeões de 2004

Depois da forte crise enfrentada pelo clube entre 2002 e 2006, o Flamengo começou a conseguir se reestruturar a partir da conquista do título da Copa do Brasil de 2006, quando mais uma vez, assim como nos Cariocas de 1999, 2000, 2001 e 2004, bateu o Vasco na final. E para o desespero cruzmaltino, a arquibancada ecoava "Vice de Novo". Na sequência, o Quinto Tri, e mais uma vez batendo o mesmo adversário em todas as finais dos três anos, só que desta vez a vítima foi o Botafogo. Foi um período no qual Flamengo e Botafogo reinaram na cidade. O alvi-negro foi campeão de 2006, o rubro-negro tri em 2007-08-09, o alvi-negro venceu em 2010 e o título em 2011 foi rubro-negro. Por seis temporadas, no Rio de Janeiro só deu ou um ou outro.


Time titular em 2007: Bruno, Leonardo Moura, Irineu, Ronaldo Angelim e Juan; Paulinho, Clayton, Renato Augusto e Renato Abreu; Roni e Souza. Téc: Ney Franco.

A instável campanha no título de 2007 teve o Flamengo conquistando a Taça Guanabara (1º turno), garantindo-se na final e, por contada disputa paralela da Copa Libertadores, optando por jogar o 2º turno com um time reserva. O Flamengo venceu a Cabofriense, Boavista, Americano, Friburguense, Nova Iguaçu e América, empatou com o Botafogo, e perdeu para Madureira (um vexatória goleada por 4 x 1), Volta Redonda, Fluminense e Vasco. Na semi-final da Taça Guanabara, empatou em 1 x 1 com o Vasco, vencendo nos pênaltis por 3 x 1. Depois disputou o título do turno numa melhor de jogos frente ao Madureira, empatando em 1 x 1, e depois goleando por 4 x 1. Classificou-se à decisão do Carioca contra o Botafogo, de Dodô e Lúcio Flávio, contra quem empatou duas vezes por 2 x 2, na segunda graças a um chutaço de Renato Augusto de longe, aos 27 minutos do 2º tempo. Decidiu o título nos pênaltis, vencendo por 4 x 2.

Os campeões de 2007

Com a conquista em 2008, o Flamengo se igualou ao Fluminense, que também detinha 30 títulos do Campeonato Carioca, como os dois maiores vencedores até então da história da competição.


Time titular em 2008: Bruno, Leonardo Moura, Fábio Luciano, Ronaldo Angelim e Juan; Cristian, Toró, Ibson e Kléberson; Marcinho e Souza. Téc: Joel Santana.

Na conquista do bi-campeonato, a campanha rubro-negra teve vitórias sobre Boavista, Cardoso Moreira, Duque de Caxias, Macaé, Resende, América, Volta Redonda, Americano, Mesquita, Cabofriense e Friburguense, empates contra Madureira e Vasco, e derrotas para Botafogo e Fluminense. O Flamengo se classificou à final por ter vencido à Taça Guanabara (1º turno), na qual venceu ao Vasco na semi-final por 2 x 1, e ao Botafogo na final também por 2 x 1, gols de Ibson e Diego Tardelli. Na decisão do campeonato, teve novamente aos botafoguenses pela frente, vencendo o 1º jogo por 1 x 0, e obtendo nova vitória no 2º jogo, desta vez por 3 x 1, com dois gols de Obina e um de Diego Tardelli.

Os campeões de 2008




Nenhum comentário:

Postar um comentário