sábado, 24 de dezembro de 2016

A estréia de Zico pelo Flamengo em 1971

Muito bacana o trabalho postado pelo blog Flamengo Alternativo
(http://flamengoalternativo.wordpress.com). Reproduzo a integra do texto abaixo:

Em 29 de julho de 1971, uma quinta-feira, os brasileiros acompanhavam pela televisão a estrela ascendente Regina Duarte na novela “Minha Doce Namorada”. Ainda vigorava o acento diferencial (“êste”, “nôvo”, “jôgo”, “fôrça”, etc). O Rio ainda era a capital do estado da Guanabara. E a construção da Ponte Rio-Niterói caminhava lentamente.

Onze dias antes, Pelé havia se despedido da Seleção num amistoso contra a Iugoslávia no Maracanã. Ainda naquele mês, dois outros gênios, Jim Morrison e Louis Armstrong, deixavam a vida para adentrar a eternidade. No mesmo ano, Roberto Carlos lançava o LP com “Detalhes”. Chico Buarque lançava “Construção”. E Caetano estava exilado em Londres.

Também naquele 29 de julho de 71, num Flamengo x Vasco pela Taça Guanabara, no Maracanã, o então técnico rubro-negro, o paraguaio Fleitas Solich, lançou entre os profissionais, com a camisa 7, um menino miúdo e bom de bola chamado Zico. Sabem quem é?

Para este blog, mais importante do que citar os títulos conquistados – incluindo o Mundial Interclubes, dez anos depois – e o patamar estratosférico ao qual Zico alçou o clube é contar um pouco do contexto da estreia do Galinho. Como estava o Flamengo naquele 1971.

E decididamente não estava bem. Solich retornara ao clube (o qual comandara por quase 400 partidas entre abril de 1953 e janeiro de 1962, levantando um tri carioca e um Rio-São Paulo) há pouco mais de um mês, e tinha nas mãos um elenco destroçado.

Depois de um 1970 atravessado como uma montanha-russa de emoções, as relações de dirigentes, torcida e jogadores com o técnico anterior, Yustrich, estavam as piores possíveis. Como exemplo, o atacante argentino Doval, um dos ídolos, havia brigado com o treinador por conta dos métodos extenuantes de preparação física, e acabou emprestado até o fim do ano ao Huracán portenho.

Para compensar as baixas, o time – sem dinheiro e sem levantar o título carioca desde 1965 – se reforçou modestamente ao longo do ano. Trouxe o centroavante Roberto Miranda, do Botafogo, trocado por empréstimo até o meio do ano pelo lateral Paulo Henrique; o ponta Buião (ex-Atlético-MG) e o meia Tales, vindos do Corinthians, e o atacante Zé Eduardo, promessa do Bahia, trocado por empréstimo por um ataque inteiro (!), que incluía o ex-titular Dionísio.

No segundo semestre, para o Brasileiro, vieram outro ponta, Rogério, do Botafogo, juntamente com o meia Renato (irmão de Amarildo, o “Possesso” da Copa de 62), emprestado pelo America, e o meia-atacante Samarone, ex-ídolo do Fluminense, entre outros.

A esses jogadores se juntavam nomes como o goleiro Ubirajara, o lateral Murilo (patrimônio do clube, assim como Paulo Henrique), o zagueiro paraguaio Reyes, o volante Liminha, o meia Zanata, e os atacantes Nei (que também defendeu Corinthians e Vasco e é pai do ex-jogador Dinei, aquele) e Fio (que no ano seguinte viraria “Maravilha” na canção de Jorge Ben). Havia ainda o então curinga Rodrigues Neto, posteriormente fixado na lateral-esquerda, e jogadores folclóricos como o zagueiro Onça e o lateral Tinteiro, tido como revelação na época.

Além disso – e como quase sempre acontece na história do clube – havia uma penca de talentos das categorias de base prestes a ser lançada (e queimada, como também quase sempre acontece na história do clube, ainda mais pelo momento ruim de então). Nesse balaio estava Zico, então com 18 anos de idade.

A Taça Guanabara, pela qual Fla e Vasco jogaram (na preliminar de Fluminense x Botafogo – que coisa, não?) era, diferentemente de hoje, um torneio separado do Campeonato Carioca, e jogada às vezes antes, às vezes depois do certame principal, como foi o caso de 71. Foi disputada em pontos corridos, turno único, pelos seis principais times (ou cinco, depois que o Bangu abandonou o torneio para excursionar pelos Estados Unidos) e conquistada pelo Fluminense, menos irregular que os outros.

Antes disso, no Carioca, o rubro-negro havia terminado na quarta posição, atrás de Flu (campeão), Bota (vice) e… Olaria! O time anil, que contava com o zagueiro Miguel e os meias Afonsinho e Roberto Pinto, fez sua melhor campanha na história da competição. E o nosso rival daquele 29 de junho? O Vasco terminou em oitavo, na lanterna do turno final.

Foi nesse clima de “salve-se quem puder” que Fla e Vasco entraram em campo naquela tarde-noite, diante de apenas 18.603 espectadores. Nei abriu o placar para o Fla na metade do primeiro tempo, e Rodrigues empatou pro Vasco pouco antes do intervalo. Na etapa final, Fio nos deu a vitória em cima do laço. O rubro-negro seguiu com chances na mini-competição, e mandou um bye bye, so long, farewell pro cruzmaltino.

No primeiro Brasileirão, que começaria dali a dez dias, o Galinho de Quintino disputou 15 das 19 partidas da equipe, todas como titular, e marcou dois gols, ambos no Nordeste (contra o Bahia – seu primeiro com a camisa do Fla – e contra o Santa Cruz). Mas como a fase era horrorosa e a bagunça imperava (além da ponta-direita, Zico foi testado em todas as posições do ataque), o time não conseguiu se classificar entre os 12 que seguiriam para a etapa seguinte da competição, e acabou na 13ª colocação.

No ano seguinte, o garoto jogou poucas vezes. O novo técnico do Fla, Zagalo, decidiu que Zico retornaria ao time juvenil (com a qual acabou campeão carioca). Só em 1974, liderando uma jovem equipe treinada pelo ex-zagueiro do clube Joubert, é que o Galinho se firmou definitivamente como craque. A boa campanha rubro-negra no Brasileiro daquele ano, a Bola de Ouro da revista Placar e o título do Campeonato Carioca, em dezembro, atestavam que a camisa 10 já lhe vestia muito bem. E o resto, como vocês sabem, é história. E que história.


Ficha do jogo de estreia de Zico:

Flamengo 2 x 1 Vasco
Local: Maracanã (preliminar de Botafogo x Fluminense)
Juiz: Aírton Vieira de Morais
Gols: Nei 20, Rodrigues 44 do 1º tempo; Fio 45 do 2º tempo.
Flamengo: Ubirajara; Murilo, Washington (Onça), Fred e Tinteiro; Liminha e Tales (Chiquinho); Zico, Nei, Fio e Rodrigues Neto. Técnico: Fleitas Solich.
Vasco: Andrada; Fidélis, Moisés, Renê e Batista; Gaúcho (Benetti) e Pastoril; Jaílson (Valfrido), Ferretti, Dé e Rodrigues. Técnico: Paulo Amaral.


Nenhum comentário:

Postar um comentário