quarta-feira, 6 de março de 2013

Política e Economia dentro da Gávea

A história política e econômica do Clube de Regatas Flamengo



Entender a política do Flamengo não é nada simples. Por ser o clube mais popular, há diversos atores no cenário político com as mais diversas origens. Ao mesmo tempo, e isto é importante ser ponderado para quem não é do Rio de Janeiro e não conhece a cidade, a sede do clube está localizada na interseção de 4 bairros de mais alta concentração de renda da cidade: Leblon, Lagoa, Gávea e Jardim Botânico. E essa "posição estratégica" será atriz preponderante na história do clube. No link acima conta-se A Breve História Política do Flamengo. Complementarmente, veja também os Resultados das Últimas Eleições no Flamengo.

Veja também: O que foi o "Escândalo das Papeletas Amarelas"

E ainda: A História dos Conflitos do Flamengo com a FERJ




Gestão Bandeira de Mello (2013-2018)
O que começou como um "Diário da Revolução Prometida" transformou-se num Estudo de caso em Gestão Esportiva. Confira neste link acima, passo a passo, os anos de transformação administrativo-financeira que o Clube de Regatas do Flamengo viveu entre 2013 e 2018, em dois mandatos presidenciais de Eduardo Bandeira de Mello.



Compromissos da Gestão 2019-2021 de Rodolfo Landim
Os compromissos apresentados no documento oficial do então presidenciável Rodolfo Landim nas Eleições 2018 tornam-se os principais pontos a serem cobrados do Presidente Eleito. No link acima, os principais trechos relacionados àquilo que o Blog A Nação entende como a Plataforma Prioritária 2019-2021 para o Clube de Regatas do Flamengo




Flamengo, o Rei das Maquetes. E os projetos? Saem do papel?
Os grandes projetos envolvendo o Flamengo voltam de tempos em tempos a ocupar a mídia, sempre gerando polêmica, sempre gerando turbilhões políticos, gerando debates acalorados. Muitas idéias e quase nenhuma implementação. E a pergunta que nunca cala: um dia isto sai? Em maquetes, o Flamengo é o clube mais moderno do mundo. Difícil é tirar as idéias do papel e transformá-las em realidade.


Projeto Zico, a marca de uma era de modernidade e ousadia na Gávea
Tendo alcançado o apoio de grandes empresas tais como Adidas, Coca-Cola, Mesbla e Sul-América Seguros, os eventos se desenrolaram como fora previsto. Precedido por uma barragem de notícias e chamadas, foi ao ar, pela Rede Manchete, o especial Projeto Zico, conquistando ótimos índices de audiência. No domingo seguinte, chegou Zico ao Aeroporto do Galeão (vinha da Flórida, onde levara a família para visitar a Disneyworld). Foi recebido por um grupo de crianças, os heróis do especial, que o acompanharam no desfile até a Gávea. A cidade parou.

E também: As "Engenharias Financeiras" da Era Kléber Leite e as consequências para o clube



Projetos de Montagem de Super-Times no Flamengo
Houve um leve desabrochar de projetos nos Anos 1960 e 1970, mas foi após sua Era de Ouro (1978-1983), num anseio de voltar aos maiores de seus dias, que os projetos foram tomando dimensões cada vez maiores. Em 1983 a montagem de um "super-ataque" com o dinheiro da venda de Zico. Em 1988 numa tentativa de reformulação. Em 1995, com o "Ataque dos Sonhos". Em 1998, com um "Sexteto de Ouro". Em 2000 com a parceria furada com a ISL. Até chegar em 2019: nunca antes na história do Flamengo! O link acima detalha todas estas histórias...




A primeira grande revolução política dentro do Flamengo, a Gestão de José Bastos Padilha iniciada em 1933. Como todo processo de modernização, foi cheio de contestações, polêmicas, oposições, conflitos. Como todo processo político dentro do Clube de Regatas Flamengo, mais vivo que em qualquer outro lugar.


Histórico da Relação Receita/Dívida do Flamengo
Para uma saúde financeira boa, é preciso se colocar esta relação em pelo menos 2x, patamar similar aos dos clubes do Rio Grande do Sul, de São Paulo e do Cruzeiro, já que o outro mineiro, o Atlético, vive quadro mais caótico, similar aos dos clubes do Rio de Janeiro.
A situação financeira do Flamengo é grave, e o Brasil inteiro sabe disto há bastante tempo. O link acima mostra uma comparação também entre as dívidas/receitas operacionais brutas dos 12 maiores clubes do futebol brasileiro.


O número é impressionante! É resultado do levantamento anual feito pela Consultoria BDO. Juntando as receitas acumuladas em 2011 e 2012 (soma dos dois anos) com transferência de jogadores de futebol, entre os times do G-12 do futebol brasileiro, o Flamengo é o último colocado neste quesito de arrecadação!
Num clube como o Flamengo, eu acredito que o ideal é você ter os seus dirigentes amadores num conselho gestor ocupando as Vice-Presidências e cada um deles com um diretor executivo remunerado, um regime profissional, se as metas forem alcançadas ele recebe prêmios, caso contrário, deve ser demitido.
Que fique claro: o Flamengo não precisa virar empresa, mas deve ser administrado como uma empresa.


1 – O Flamengo tem que entrar nas competições com plenas chances de ganhar. Para fazermos times sem chances, só para dizer que estamos disputando, preferimos não participar.
2 – Os atletas de ponta têm que servir de exemplo para as categorias de base, não somente em conduta como também treinando no clube para ser espelho para os mais jovens.
3 – Todo o esporte deve ser, a médio prazo, autossustentável.


No Flamengo, pela dimensão, pela relevância e pela paixão que ele desperta, tudo é para ontem. Mas eu diria que em breve nós vamos ser o clube de maior arrecadação do Brasil. Queremos estar entre as dez maiores arrecadações do mundo. O Flamengo tem que pensar grande, e não nos falta potencial. É evidente que isso depende de alguns resultados dentro do campo, mas achamos que o potencial de trabalho da marca é tão grande que não temos dúvida que irá acontecer.
Não é “se” vai acontecer. O Flamengo vai ter a maior arrecadação do Brasil. Ponto. O que a gente tem dúvida é “quando”.

Veja também: As Metas do Vice de Marketing do Flamengo e Reflexão de BAP sobre 2013


Para a reflexão do C.R. Flamengo e dos rubro-negros: A lição do Boca Juniors. E vale a pena ler também A lição do Corinthians.


Foi muito, mas muito legal mesmo, a forma que a Olympikus escolheu para encerrar de forma positiva a parceria com o Flamengo. Mais legal ainda porque a babaca da imprensa esportiva brasileira fez um esforço hercúleo para denegrir a relação, para deixar um clima ruim e para malfadar, como sempre faz, a imagem do Flamengo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário