sábado, 13 de abril de 2013

Casos & Acasos do Futebol do Flamengo

Não falta folclore à cultura do Clube de Regatas do Flamengo. Desde dias simples que ganham proporções históricas, como A Maior Goleada da História do Maracanã, até personagens que só o Mais Querido do Brasil é capaz de gerar, como Berico, o "Novo Pelé" que chegou ao Flamengo em 1964, e como Fio Maravilha, o personagem clássico que só o Flamengo coloca para sempre na história, ou nomes menos conhecidos como os de Radar e seus 4 gols no mesmo jogo, uma nova revelação na Gávea?, e a história de Beijoca e o assédio à aeromoça que quase faz o time inteiro do Flamengo acabar preso, e as histórias com Peu, talvez quem mais sofreu na mão de Zico, mas num bom sentido, com folclóricas históricas narradas pelo próprio Galinho de Quintino. Como não ficar para os anais da eternidade algo como O Flamengo de "Bigu e mais 10". Que torcida além desta, no mundo, pode produzir o fenômeno Obina, melhor do que o Eto'o.

Fatos mitológicos. Mitologias reais. Alguns que beiraram o inacreditável. Até a Passagem de Garrincha pelo Flamengo foi completamente diferente e fora de padrão. Montanhas-russas de emoção como o Mengo 1970 que foi mais do que era, aquele mesmo Mengo 1970 que foi menos do que era. Paixões ardentes que tomam uma proporção incomum, como o amor do vermelho e preto e do craque argentino Doval, ou o amor entre a torcida e o paraguaio Reyes. E paixões que nascem discretas e tomam proporções surreais, como o amor pelo Garoto Franzino que estreou em 1971.

Muitas confusões e muitos sentimentos sentimentos controversos. São os casos das histórias dos Irmãos Ditão por um lado, e por outro dos 4 irmãos, uma família inteira que vestiu vermelho e preto. Casos e acasos que só a história do Flamengo tem. Grandes clubes há vários; diferenciado, há apenas um. O espírito em sincronia de uma multidão dá a estas cores a dimensão diferenciada que ela tem. Teu nome é Flamengo.


CASOS & ACASOS:

O Mito do Rebaixamento do Flamengo em 1933

Reversões de resultado inacreditáveis sofridas pelo Flamengo
Vitórias que pareciam asseguradas, mas um revertério inacreditável fez o impossível se materializar, e a torcida rubro-negra teve que amargar um péssimo sabor na garganta...


Desde 1990 para cá, só 5 treinadores conseguiram ficar mais de 1 ano no Flamengo
Carlinhos, Zagallo, Ney Franco, Vanderlei Luxemburgo e Zé Ricardo. Nos últimos tempos, só estes 5 nomes conseguiram vingar mais de 1 ano como Diretor-Técnico do futebol do Flamengo.


Aluspah Brewah: uma aventura africana
O jogador de Serra Leoa ficou 6 meses treinando na Gávea, mas nunca entrou em campo. Era veloz, muito veloz. Mas a técnica não foi aprovada e ele acabou dispensado. Foi o 3º africano a vestir a camisa do Flamengo na história.


Lundblad, Axelsson e Magnusson: aventureiros loiros de olhos azuis vindos do norte
Três suecos viveram uma curta experiência na Gávea em 1966. O que mais durou, ficou 3 meses e entrou 2 vezes em campo com a camisa rubro-negra.


A passagem pela Gávea de Florian Albert, eleito o melhor jogador do mundo de 1967, recebendo a Bola de Ouro da revista francesa France Football. Pela seleção da Hungria, Albert despontou no time medalha de bronze nos Jogos Olímpicos de Roma em 1960. Marcou cinco gols naquele torneio, incluindo dois na goleada de 7 a 0 sobre a França. Brilhou também em sua primeira Copa do Mundo, no Chile em 1962, quando marcou quatro gols e terminou entre os artilheiros da competição, além de ser eleito a revelação do Mundial com apenas 21 anos de idade.


Polonês com a camisa do Flamengo
Mariusz Piekarski nasceu na Polônia e jogou 13 vezes com a camisa rubro-negra em 1997, 10 das quais começando como titular do time. Os poloneses Mariusz Piekarski (meia de contenção) e Krzysztof Nowak (atacante) destacaram-se em 1996 com a camisa do Atlético Paranaense e chamaram a atenção do futebol brasileiro. Nowak fez três gols e Pierkarski um gol no Brasileiro de 96. O Flamengo então decidiu contratar Piekerski em 1997.


Lev Yashin no Flamengo, em 1965
Em 1965, depois das férias, o Flamengo se reapresentou para a temporada que estava por ser iniciada. Estoura então a notícia nos jornais do Rio de Janeiro: estava confirmada a chegada do mitológico goleiro Lev Yashin ao Rio para passar férias e treinar pelo Flamengo. O governo da União Soviética acabava de autorizar sua viagem. Lev Yashin, o monstro sagrado, o "Aranha Negra", o "Melhor Goleiro do Mundo", estava a caminho da Gávea. Yashin estava em plena forma física e técnica. Um ano antes a revista France Football o havia dado o prêmio de melhor jogador do mundo, único goleiro na história a ter recebido tal honraria.


A longa lista de jogadores da América do Sul que passaram pelo Flamengo está concentrada principalmente nos três sócios originais do Brasil no Mercado Comum do Cone Sul, o Mercosul. A ampla maioria veio de Argentina, Paraguai e Uruguai, os três vizinhos mais próximos ao eixo Sul-Sudeste do Brasil. De fora deste eixo, foram poucos. O primeiro chegou em 1996. O segundo em 2008. 


A longa tradição de paraguaios que brilharam com a camisa do Flamengo
Onze jogadores paraguaios vestiram a camisa do Flamengo até 2013. O primeiro foi o cabeça de área Modesto Bria, que jogou no Flamengo de 1943 a 1953, tendo disputado 360 jogos e marcado 8 gols. Depois dele, Severo Rivas não fez sucesso, mas o goleiro Garcia, o atacante Benítez e o treinador Fleitas Solich deixaram seus nomes na história do clube. Nos anos 1960, teve primeiro a Carlos Monin e depois a outro que pôs seus nomes entre os maiores da história rubro-negra: Reyes. Na história mais recente: Juan Daniel Cáceres, Gamarra, "El Tigre" Ramírez, Gavilán e Victor Cáceres.


Santo André, um trauma amargo na final da Copa do Brasil 2004
O Santo André calou os mais de 70 mil torcedores que foram ao estádio no Maracanã na noite desta quarta-feira na expectativa de comemorar o título da Copa do Brasil-2004 com o Flamengo. Depois de empatar o primeiro jogo, em São Paulo, a equipe do ABC venceu por 2 a 0, conquistou o primeiro título expressivo de sua história e garantiu a vaga na Taça Libertadores-2005.


Brasil de Pelotas elimina o Flamengo nas quartas de final do Brasileiro de 1985
No Campeonato Brasileiro de 1985, o time rubro-negro parecia ter potencial para conquistar mais uma vez o título. Terminou o primeiro turno na liderança do campeonato, jogando com um time base que tinha Cantarele, Jorginho, Leandro, Mozer e Adalberto; Andrade, Adílio e Gilmar; Bebeto, Chiquinho e Marquinho. Parecia que daria para brigar pelo campeonato, mas não deu. O Flamengo acabou eliminado pelo Brasil de Pelotas.


O traumático "Dia de Cabañas"
Inacreditável! Nem o torcedor vascaíno esperava mais a eliminação do Flamengo na Libertadores da América. Após vencer o jogo de ida, fora de casa, por 4 a 2, o Flamengo conseguiu perder no Maracanã para o América, do México, por 3 a 0, na noite de quarta-feira. Antes da bola rolar, o clima de oba-oba tomou conta do Estádio. O técnico Joel Santana recebeu camisa com o seu nome e até placa. Quando o jogo começou, o Flamengo foi para cima e dominava, mas não conseguia finalizar.


Um raio não cai duas vezes no mesmo lugar? No Flamengo cai!
O Flamengo sofreu três gols de goleiros adversários em . Dois deles feitos de cabeça pelo goleiro Lauro, no último lance do jogo, e numa diferença de 10 anos e quatro dias entre um e outro. Foram os dois únicos gols marcados por Lauro em toda sua carreira. O link acima traz todos os detalhes desta história, a ficha técnica destes dois jogos e um pouco de Lauro, o goleiro-carrasco que fez dois gols em cima do Flamengo.


Tri-Campeão da Copa do Brasil 1990-2006-2013
Ficha completa das três finais de Copa do Brasil conquistadas pelo Flamengo das finais contra Goiás, Vasco e Atlético Paranaense

O link acima tem a história completa. Em resumo: desde 2004, quando o Campeonato Carioca passou a ser disputado nos moldes atuais, com semi-finais e finais de Taça Guanabara e Taça Rio, o Flamengo ficou fora da semi-final, eliminado na 1ª fase do turno (até 2013) em 6 oportunidades, sendo que isto não acontecia desde 2007, ainda sim numa circunstância especial, pois naquela oportunidade o Flamengo havia sido campeão do 1º turno, estava jogando a Libertadores e jogou o 2º turno com o time reserva.

Flamengo é o Melhor Carioca na História da Copa do Brasil
No link acima está contada a história completa do desempenho dos clubes cariocas na Copa do Brasil de 1989 até 2012. A partir de 2013, a competição mudou de formato.
O Flamengo é o clube de melhor desempenho entre os cariocas no histórico da Copa do Brasil. Não só por ser o carioca com mais títulos (dois, em 1990 e 2006), mas é o com melhor desempenho em cada fase da competição.

Veja tambémAs 10 semi-finais de Copa do Brasil da história do Flamengo e As 6 finais de Copa do Brasil da história do Flamengo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário