segunda-feira, 3 de junho de 2013

Gestão Azul: Diário da Revolução Prometida (1ª parte)

A Eleição de 2012 do Flamengo decretou a vitória da Chapa Azul, formada por um grupo de empresários rubro-negros com a promessa de fazer uma revolução na Gávea, colocando as finanças em dia, alavancando o marketing e a marca do clube, reduzindo as dívidas e colocando as contas do clube no Azul.

Passo a passo, foi sendo relatado aqui um balanço que foi sendo atualizado durante os três anos da primeira gestão do presidente Eduardo Bandeira de Mello. Clicando em cada link abaixo, você acessa o relatório completo de cada etapa descrita.

Descrição dos cargos ocupados na nova diretoria para o Triênio 13-15.

As Diretrizes para o Marketing do Flamengo
Principal promessa da Gestão Azul: "Não é “se”, vai acontecer! O Flamengo terá a maior arrecadação do Brasil. A dúvida é “quando”. Em entrevista à revista Época Negócios, em 28 de janeiro de 2013, Luiz Eduardo Baptista, vice-presidente de marketing do Flamengo, prometeu: "O Flamengo terá a maior arrecadação do Brasil em 2014". No link acima a explicação de como se conseguiria isto.

As Diretrizes para os Esportes Olímpicos do Flamengo
O modelo de gestão dos Esportes Olímpicos no triênio 2013-2015 seguiu três regras elementares: (1) o Flamengo tem que entrar nas competições com plenas chances de ganhar, para ter times sem chances, só para dizer que está disputando, é preferível não participar; (2) os atletas de ponta têm que servir de exemplo para as categorias de base, não somente em conduta como também treinando no clube para ser espelho para os mais jovens; e (3) todo esporte tem que ser autossustentável.

Gestão Azul: Capítulo 1 - Menos Nunca é Mais!
O principal objetivo era colocar as finanças em ordem no começo de trabalho. Para isto foram feitos vários cortes e o time para o Campeonato Carioca sabia-se desde o início que era mais modesto, e que dificilmente seria campeão. A campanha na Taça Guanabara foi surpreendente e atiçou um pouco da esperança, mas a Taça Rio mostrou a realidade do momento. Dava para sonhar com um bom resultado no futebol em 2013?
O texto é um resumo de 5 textos de Wálter Monteiro e Jorge Farah publicados no site Magia Rubro-Negra. Um excelente balanço reflexivo dos 100 primeiros dias da gestão Bandeira de Mello. Erros e acertos, e a perspectiva para a continuidade da gestão.
Até o apresentação, a nova camisa do Flamengo foi um mistério total. Para Flamengo e Adidas, o mais importante era diminuir as chances de pirataria. A camisa foi apresentada aos conselhos internos 3 meses antes do lançamento e houve um controle total para que ninguém fotografasse. Ao mesmo tempo a Adidas controlou intermediários e acesso em lojas. Deu tudo perfeitamente certo!

Quem acompanha o Flamengo sabe que o mau desempenho do futebol é o que define o sucesso político no clube. Decisões erradas são perdoadas e acertadas são demonizadas. Além do mais, em meio a seu processo de recuperação, várias das verbas conseguidas para o triênio 2013-2015 estão condicionadas a resultado. Segunda Divisão seria um vexame histórico sem precedentes, além de afetar gravemente os resultados financeiros futuros.

Irá o Fundo de Investimentos V3 resolver as coisas no Flamengo? - Os Retornos e Riscos
A Diretoria "Chapa Azul" criará o V3 Investimentos, fundo que investirá em jogadores para jogar no Flamengo. Vejamos se o V3 supre esta necessidade básica da Gávea. Há riscos relevantes que precisam ser considerados. Os dois links acima mostram os planos para o fundo e os retornos e riscos envolvidos. 

Pré-avaliação da Gestão 2013, o primeiro ano da gestão Eduardo Bandeira de Mello a frente do Flamengo. Os quatro grandes méritos da Gestão 2013 (CND, Patrocínios, Sócio-Torcedor e Esportes Olímpicos) e os grandes desafios da Gestão do Futebol em 2014.

Gestão Azul: Capítulo 3 - Comprando risco e pagando para ver
Havia a expectativa por reforços, mas só foram contratados dois: o zagueiro Chicão e o lateral-esquerdo André Santos. A expectativa por um lateral-direito e um atacante não se consumou. Ia-se com o que se tinha, e as limitações eram conhecidas. O Flamengo terminou o turno do Brasileiro 2013 na 16ª colocação, só uma acima do corte de rebaixamento.

Gestão Azul: Capítulo 4 - Com a faca no pescoço
A faca está no pescoço. Todo o projeto está serissimamente em risco. O futuro do Flamengo está seriamente em risco, porque se não conseguir equacionar as dívidas desta vez, será um mergulho de cabeça um precipício.
O trabalho foi dividido em cinco passos: 1º) ver o tamanho do buraco, com a auditoria. 2º) trazer credibilidade, retirar as penhoras para poder obter as certidões negativas. 3º) aumentar a receita; não dá pra fazer trabalho nenhum sem aumentar a receita, aumentamos através de patrocinadores e sócio-torcedor. 4º) negociar as dívidas. 5º) redução de despesa: este ano foi de aumentar a receita, em 2014 cuidaremos da redução de despesas.

Gestão Azul: Capítulo 5 - Prêmio Extra pela insistência em convicções
A pressão por contratações foi enorme durante o primeiro turno do Brasileiro, de todos os lados vinham vozes exigindo que a diretoria investisse pesado na contratação de jogadores. A diretoria resistiu e não contratou, arriscou, teve frieza mesmo quando a corda apertou no pescoço, endossou o comprometimento com suas diretrizes, correu muito risco, e recebeu um prêmio de bonificação.

O primeiro ano do Anjo da Guarda Rubro-Negro
A campanha Anjo da Guarda Rubro-Negro foi um sucesso. Durante 63 dias (de 26.10.2013 a 27.12.2013), o flamenguista teve a oportunidade de contribuir com o Clube da seguinte forma: fazendo com que parte de seu imposto de renda devido fosse diretamente para os esportes olímpicos do Clube. Como a Nação está sempre disposta a ajudar, 822 pessoas contribuíram e R$ 1.182.804,40 foram arrecadados.

Gestão Azul: a Equação do Passivo Trabalhista
O número de ações trabalhistas foi reduzido de cerca de 500 para 170 no Tribunal Regional do Trabalho (TRT). Do ponto de vista orçamentário, o Flamengo faz provisões de contingência de R$ 35 milhões para quitar essas 170 rotuladas como "perda provável". Levando em conta o que o clube conseguiu quitar de dívidas trabalhistas em 2013, o montante não assusta tanto assim: no ano passado, o Flamengo pagou R$ 26,1 milhões de débitos dessa natureza.

Gestão Eduardo Bandeira de Mello: Balanço do 1º ano de Gestão
Diretrizes: dotar o clube de um modelo de gestão profissional e de resgatar a credibilidade da instituição. A obtenção da Certidão Negativa de Débito (CND). Os Programas Nação Rubro-Negra e Anjo da Guarda Rubro-Negro. Patrocínios para o time de futebol e o time de basquete. Na esfera esportiva, Campeão da Copa do Brasil e Campeão Brasileiro de Basquete. Os fatos marcantes do 1º ano da Gestão Azul.

Programa Sócio-Torcedor Nação Rubro-Negra completa 1 ano com resultados muito bons
O maior retrato do ótimo desempenho do Programa Nação Rubro-Negra no seu primeiro ano de existência é o comparativo com outros grupos de clubes (somados). Se o Flamengo tinha 63.369 sócios-torcedores em 26 de março de 2014, nesta mesma data Corinthians e São Paulo somados tinham 64.140 sócios-torcedores e E Fluminense, Vasco e Botafogo somados tinham 47.095 sócios-torcedores. Os três rivais cariocas, juntos, tinham 16 mil sócios-torcedores a menos que o Flamengo.

Gestão Azul completa um ano da obtenção das CNDs
Em 2013, após três meses de gestão, a nova diretoria, em conjunto com os departamentos financeiro e jurídico, renegociou as dívidas com os Governos e pagou R$ 40 milhões em impostos, recuperando a credibilidade da instituição perante as esferas Federal, Estadual e Municipal.

Gestão Azul: Capítulo 6 - Troféu com frustração
A grande meta do 1º semestre de 2014 era a Taça Libertadores da América, mas a péssima campanha e a eliminação precoce foram uma enorme frustração. As conquistas da Taça Guanabara e do Campeonato Carioca minimizaram parte da frustração.

Análise do Balanço Financeiro de 2013
Excepcional a análise feita por Jorge Farah e Wálter Monteiro no site Magia Rubro-Negra. Em resumo, o Flamengo teve êxito na estratégia de ampliar sua receita. Pela primeira vez o clube soube rentabilizar o potencial de geração de receitas de sua imensa torcida. Mas o clube ainda precisa melhorar na gestão dos direitos econômicos de seus jogadores. O patrimônio intangível representado por eles encolheu sem que o clube recebesse nada por isso. Destaca-se também a despesa de pessoal, que segue bem alta.

Gestão Azul: Capítulo 7 - Uma grande trapalhada
Os pontos polêmicos, confusos e mais mal-administrados na gestão Eduardo Bandeira de Mello foram, sem dúvida, as escolhas de treinadores, foram algumas trapalhadas. A maior delas foi a demissão de Jayme de Almeida, em 12 de maio de 2014.

Gestão Azul: Capítulo 8 - Muito pouco, quase nada
Se era o ápice da Crise da Gestão Azul, então os 45 dias de parada durante a Copa do Mundo seriam para pôr a casa em ordem. Mas o que foi feito neste intervalo foi muito pouco, quase nada, jogando holofotes sobre a dificuldade com a gestão do futebol da "revolucionária gestão" do Flamengo.

Ser ou não ser um clube cidadão? Eis a questão!
Excelente reflexão de João Paulo Anzanello: como ser um “clube-cidadão” e um “clube-campeão” ao mesmo tempo? A dificuldade de se conjugar desempenho esportivo com paixão, assim como responsabilidade com respeito aos compromissos financeiros, em um equilíbrio que satisfaça os dois lados da balança, sempre foi motivo de preocupação e dor de cabeça. Em longo prazo, a irresponsabilidade financeira se torna insustentável.

Gestão Azul faz Balanço do Marketing no Biênio 2013-2014
Soma de feitos: a arrecadação no Maracanã aumentou, como resultado de uma maior eficiência na precificação dos jogos; com patrocinadores, em 2015 as receitas em relação a 2012 triplicarão; quanto a lojas, a marca "Nação Rubro-Negra" já chega a vinte praças, desejando-se chegar a 300 lojas ao fim de 2017; e independentemente das vendas de jogadores, o Flamengo já é, em apenas 2 anos de trabalho, a maior arrecadação do Brasil entre os clubes de futebol.

Gestão Azul: Capítulo 9 - Carregadores de saco de cimento
Vanderlei Luxemburgo chegou decretando que reconhecia as limitações técnicas da equipe do Flamengo e que queria dos jogadores a atitude de "carregadores de saco de cimento", e que sua prioridade era afastar o time da "Zona da Confusão", como ele batizou a Zona de Rebaixamento e suas áreas adjacentes. Conseguiu uma verdadeira transformação e salvou o segundo ano da Gestão Azul de uma eminente catástrofe.

Por quem os sinos estavam tocando?
A primeira grande batalha externa deixou marcas. Os desencontros de opinião entre Jurídico e Marketing levaram Luiz Eduardo Baptista, o BAP, a desligar-se da Vice-presidência de Marketing. Não foi qualquer baixa. Logo na primeira vez em que Eurico Miranda "bateu pra valer no Flamengo", conseguiu muito.

Gestão Azul: Missão dada foi missão cumprida
Ainda sem os números oficiais divulgados, um levantamento do Itaú confirmou o que já se desenhava: Flamengo teve a maior receita e o maior superávit do futebol brasileiro em 2014. Pela 1ª vez na história superando a Corinthians e São Paulo, que se revezaram na 1ª posição desde que o Mercado Financeiro passou a fazer este monitoramento. A receita do Flamengo foi 16% superior à do São Paulo e 24% superior à do Corinthians.

Esportes Olímpicos, enfim auto-sustentáveis
Mais uma promessa de campanha cumprida. A primeira foi a conquista das Certidões Negativas de Débito. A segunda foi ter se tornado a maior receita do futebol brasileiro. A terceira foi dar auto-sustentabilidade aos esportes olímpicos do clube. Dia 04/03/2015. Data histórica para o Flamengo, na qual todos os esportes olímpicos do clube passaram a estar autossustentáveis, através da Lei de Incentivo de IR, cujo financiamento de R$ 1,5 milhão já foi levantado entre empresas e pessoas físicas do Programa Anjo da Guarda.

2º ano do Sócio-Torcedor do Flamengo: o Ano Perdido
No dia 26 de março de 2015, o Programa Sócio-Torcedor Nação Rubro-Negra completou seu segundo aniversário de vida. Os primeiros doze meses do programa foram um grande sucesso. Mas os segundos doze meses subsequentes foram um grande fracasso, ainda que mantenha uma expressiva arrecadação extra para os cofres do clube.

Gestão Azul: Capítulo 10 - Embates Políticos
No campo externo, o primeiro quadrimestre de 2015, terceiro ano da Gestão Azul no poder do Flamengo, foi marcado por duas frentes de embate externo: a luta pela aprovação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte, em Brasília, e a disputa de poder contra um bloco estadual liderado por FERJ e Vasco, remontando aos velhos tempos da política da dupla Caixa D'Água-Eurico Miranda. O embate externo causou feridas internas, com um racha entre Eduardo Bandeira de Mello e BAP. No futebol, perda do Carioca e uma final entre os aliados políticos da federação.

Análise do Balanço Financeiro de 2014
O avanço nas finanças do Flamengo foram impressionantes. O aguardadíssimo Balanço Financeiro de 2014 foi publicado em abril de 2015. Os resultados eram muito bons, indicando queda de endividamento, aumento expressivo de receitas e resultado opracional positivo. Pela 1ª vez em muitos anos o Flamengo fechou um ano com superávit. A principal pedra de sustentação da Gestão Azul estava de fato entregue.

O racha político da Gestão Chapa Azul
As primeiras declarações mais enfáticas do ex-Vice-presidente de Marketing do Flamengo, Luiz Eduardo Baptista, "Bap", foram dadas em 17 de março em entrevista a Vivi Mariano por telefone, cujo áudio foi publicado no site Magia Rubro-Negra. Em entrevista a Flávio Souza, publicada em 24 de abril no site Mundo Rubro-Negro, BAP ratifica e explica mais detalhadamente seus argumentos.

Situação Financeira do Flamengo em relação ao G-12 do futebol brasileiro
O Flamengo teve a maior receita do futebol brasileiro em 2014. Por outro lado ainda detém a 2ª maior dívida. A relação Dívida/Receita é 2,01, uma grande melhora do quadro financeiro. Comparando aos demais clubes: em 2012 só o Botafogo tinha um indicador pior, em 2013 a situação do Flamengo era melhor do que a de três clubes: Vasco, Fluminense e Botafogo, e em 2014 a situação é melhor do que a de cinco clubes: Santos, Atlético Mineiro, Vasco, Fluminense e Botafogo.

Gestão Azul: Capítulo 11 - Riscos e Retornos com os investimentos tardios
A diretoria apresenta projetos muito ambiciosos, mas que dependem muito de mais acertos do que desacertos na gestão do time de futebol, e esta capengou no triênio 2013-2015. Fora de campo, as notícias positivas continuavam se acumulando. Já dentro de campo, como era de se esperar após a perda de um Campeonato Carioca no qual os adversários estavam economicamente muito fragilizados, a pressão aumentou muito. No link acima, está mais um capítulo do Diário desta história.

O racha político da Gestão Chapa Azul: a oficialização de 2 candidatos
Uma reunião em 22 de julho consolidou: a Gestão Azul do Triênio 2013-2015 estava dividida e haveria duas chapas na eleição do fim de 2015, disputando a Presidência do Flamengo no Triênio 2016-18. De um lado o candida Eduardo Bandeira de Melo, tentando a reeleição. Do outro lado o candidato Wallim Vasconcelos. No link acima, os dois candidatos expuseram seus pontos de vista.

Por quem os sinos estavam tocando? - Parte II
Por quem os sinos tinham tocado? Os sinos tocavam pela situação, pela oposição, por Eurico Miranda, pela Federação? A vida não é um conto de fadas e ao final os sinos tinham tocado por todos, mas certamente para alguns mais e outros menos. Muita coisa já estava mais clara, mas restava aguardar o avanço das negociações e entender quais de fato tinham sido as consequências. Era preciso se dar ainda mais tempo ao tempo para se saber. Mas eles estavam tocando cada vez mais fortes. Cada vez mais gente estava escutando!

Gestão Azul: Capítulo 12 - Stop and Go! And Stop!
O Flamengo do Brasileiro 2015 foi o time do Stop and Go. And Stop! Ninguém dava muito pelo time no 1º turno. De repente chegaram Oswaldo de Oliveira e algumas contratações e o time emplacou incríveis seis vitórias consecutivas: esperança! Arrancadas como em 2007 e 2009? Na sequência, porém, seis derrotas em sete jogos, e o time não tinha condições de brigar seriamente por nada, não dava para sonhar nem com vaga em Libertadores.

Continua com a Gestão 2016-2018 em Diário da Revolução Prometida (2ª parte)

2 comentários:

  1. No texto consta a expressão "com a promeça de fazer uma revolução na Gávea". Mas a palavra correta é "promessa" e não "promeça".

    ResponderExcluir
  2. Obrigado Antônio.
    Texto já corrigido!

    ResponderExcluir