sábado, 8 de outubro de 2016

Grandes Temporadas: Campeão Brasileiro de 1987

O Campeonato Brasileiro de 1987 foi o mais conturbado da história do futebol nacional. Insatisfeitos com o modelo de disputa que vigorou até 1986, inflado e pouco rentável, com o nível de competitividade aumentando apenas a partir da 3ª fase, os clubes mais tradicionais se rebelaram contra a CBF, que por sua vez, frente à grave crise econômica que atravessava o país, alegava falta de recursos e incapacidade de organizar o campeonato. As agremiações mais fortes então se juntaram e formaram o Clube dos 13, que reunia Flamengo, Vasco, Fluminense, Botafogo, Corinthians, Palmeiras, São Paulo, Santos, Grêmio, Internacional, Cruzeiro, Atlético Mineiro e Bahia. A nova entidade convidou três outros clubes (Santa Cruz, Coritiba e Goiás) e formou a Copa União, torneio com apenas 16 equipes se enfrentando em turno único, e as quatro primeiras avançando a um mata-mata semi-final e final.

Estes dezesseis times jogariam o Módulo Verde. Outros 16 foram colocados no chamado Módulo Amarelo, que reuniu Guarani, Portuguesa de Desportos, Inter de Limeira, Bangu, América-RJ, Atlético Paranaense, Vitória, Sport Recife, Náutico, Criciúma, Atlético Goianiense, Ceará, Joinville, CSA, Treze (PB) e Rio Branco (ES). Ainda foram formados os Módulos Azul e Branco, cada um deles com 24 clubes. Assim foi, primeiramente, organizado o torneio. Naturalmente, a segregação por critérios econômicos gerou muitos protestos, especialmente por parte de Guarani, vice-campeão brasileiro de 86, América do Rio, terceiro colocado no Brasileiro de 86, e Bangu, vice-campeão brasileiro de 85.

O Flamengo também vivia um momento de transição. Depois do período mais vitorioso de sua história, entre 1978 e 1983, o clube não ganhou nenhum título em 1984 e 1985, e se salvou em 1986 conquistando o Campeonato Carioca depois de promover o treinador de seu time sub-20, Sebastião Lazaroni, e surpreender com uma equipe repleta de jovens.

No 1º semestre de 1987, a diretoria investiu pesado, contratando o ponta-direita Renato Gaúcho ao Grêmio, jogador que era tido como a mais proeminente estrela do futebol nacional. Contratou também o ponta-esquerda Sidnei, do São Paulo, jogador com passagem pela Seleção Brasileira nos anos anteriores, e o centroavante Kita, que havia sido o destaque da Inter de Limeira, campeã paulista de 1986, e que antes, quando jogador do Internacional de Porto Alegre, havia conquistado a Medalha de Prata com a Seleção Brasileira nos Jogos Olímpicos de 1984. Porém, o ataque Renato Gaúcho, Kita e Sidnei não deu certo.

O começo do Carioca de 87 já foi conturbado. O Flamengo perdeu para o Porto Alegre, equipe recém promovida da 2ª Divisão do futebol carioca, por 2 x 0, e logo depois voltou a tropeçar, perdendo por 1 x 0 para o Americano. Na rodada seguinte um empate em 0 x 0 com o modesto Mesquita. Depois de um novo empate sem gols, desta vez com o Botafogo, Sebastião Lazaroni caiu do cargo, e assinou com o Vasco, que perdia o jovem treinador Joel Santana para o Al Hilal, da Arábia Saudita, e nos bastidores já tinha conversas com Lazaroni enquanto ele ainda era o treinador do Flamengo. Por seis partidas o técnico-interino foi o auxiliar Carlinhos, até que o Flamengo contratou Antônio Lopes, que, como técnico do Fluminense, havia perdido o título da Taça Guanabara para o Vasco de Lazaroni, clube que demitira Lopes no ano anterior após ele perder o Estadual de 1986 para o jovem time rubro-negro. Momento turbulento... Mss o Flamengo de Lopes cresceu na sequência do campeonato, mas acabou perdendo o título do Campeonato Carioca para o Vasco, 1 x 0, gol do ex-rubro-negro Tita. A crise rondava novamente a Gávea.

Para o 2º semestre, em meio à crise que rondava o futebol brasileiro e a organização da Copa União, o Flamengo reformulou seu elenco. Saíram o zagueiro Mozer, vendido ao Benfica de Portugal, o meia Adílio, vendido ao Coritiba, o ponta-esquerda Marquinho Carioca, vendido ao Atlético Mineiro, e o ponta-esquerda Sidnei, que mesmo acima do peso, não aceitou a reserva (foram apenas 10 jogos com a camisa rubro-negra), teve diversos problemas disciplinares, e acabou vendido ao Marítimo de Portugal (dois anos depois encerraria a carreira prematuramente, depois de passagens sem sucesso por São Paulo e Santos).

Para reforçar o elenco, apostou suas fichas em dois veteranos: o zagueiro Edinho voltava ao Brasil após uma longa passagem, de muito sucesso, pela Udinese, da Itália, e o centroavante Nunes, que depois de ser emprestado ao Botafogo em 1983, voltou ao Flamengo em 1984, passou, sem brilhar, por Náutico, Santos e Atlético Mineiro, e chegava após uma passagem, também sem sucesso, pelo Boavista, de Portugal. A primeira aposta trouxe resultados, já a segunda não, Nunes quase não jogou, com o jovem Bebeto se firmando como titular no ataque, e tendo em Kita seu suplente.

O elenco rubro-negro na Copa União de 1987:

Goleiros: Zé Carlos e Cantareli
Laterais: Jorginho e Leonardo; Leandro Silva e Airton
Zagueiros: Leandro, Edinho, Zé Carlos II e Aldair
Volantes: Andrade, Ailton e Flávio
Meias: Zico, Zé Ricardo e Henágio
Pontas: Renato Gaúcho, Alcindo, Zinho e Júlio César
Atacantes: Bebeto e Kita



Logo na estréia, o Flamengo perdeu por 2 x 0 para o São Paulo, de Muller e Careca, no Maracanã. Bastou para concretizar a demissão de Antônio Lopes. Logo na 2ª rodada assumia, a princípio interinamente, para depois ser efetivado, o auxiliar-técnico Carlinhos, já havia muitos anos sendo auxiliar no clube, e que já havia assumido anteriormente a função, sempre interinamente, em 1983, após a saída de Carpegiani, havia treinado o time por 5 jogos, e no começo daquele mesmo ano de 1987, entre a saída de Sebastião Lazaroni e a chegada de Antônio Lopes, havia comandado o time por 6 jogos.

Com Carlinhos, o Flamengo venceu o Vasco por 2 x 1, gols de Bebeto e Zico, engatou uma sequência ruim, com empate sem gols com o Santos, duas derrotas seguidas, para Internacional (2 x 0) e Fluminense (1 x 0), vitória no Coritiba (3 x 1), e empates com Goiás (1 x 1) e Cruzeiro (0 x 0).Com uma campanha modesta, com 2 vitórias, 3 empates e 3 derrotas, o Flamengo patinava após oito rodadas, e não parecia que teria forças para se classificar entre os quatro primeiros que avançavam para fazer a semi-final. E isto num torneio de tiro curto, cuja fase de classificação tinha apenas 15 rodadas, sem returno.

Nas três rodadas, o time venceu o Botafogo (1 x 0), empatou com o Grêmio (1 x 1) e perdeu para o Atlético Mineiro (1 x 0). A competição era disputadíssima. Restavam só quatro rodadas, e avançar parecia muito improvável. Nestas quatro rodadas finais, porém, o time rubro-negro encaixou uma sequência de bons resultados. Primeiro com uma vitória por 2 x 0 sobre o Palmeiras no Maracanã, gols de Renato Gaúcho e Ailton. Na sequência, uma vitória fora de casa por 2 x 0 sobre o Bahia, na Fonte Nova, em Salvador, gols de Zinho e Bebeto. Os dois jogos finais eram no Maracanã. Primeiro, contra o Corinthians, que fazia péssima campanha e estava entre os últimos colocados, um empate por 1 x 1. Depois, diante do Santa Cruz, quando só a vitória interessava, Zico chamou a responsabilidade, colocou a bola embaixo do braço, fez três gols, e garantiu a vitória por 3 x 1.

O Flamengo terminou a 1ª fase como 4º colocado, avançando para fazer a semi-final contra o Atlético Mineiro, que tinha a melhor campanha da Copa União. No 1º jogo, no Maracanã, uma vitória magra, por 1 x 0, com gol de Bebeto, parecia ser pouco para garantir a passagem à final. O atlético era fortíssimo jogando no Mineirão. Mas o time do Flamengo, que vinha embalado desde a vitória sobre o Palmeiras, superou-se. O Mengo começou arrasador. Com 22 minutos, Bebeto fez 1 a 0, e com 31, Zico ampliou. O Atlético tinha um time fortíssimo e no 2º tempo reagiu, fazendo de pênalti, aos 15 minutos, e quatro minutos depois empatando, gol do velocíssimo ponta-direita Sérgio Araújo. Daí para frente foi pura pressão sobre a área do Flamengo. A virada parecia inevitável. Até que aos 34 minutos do 2º tempo, Zico roubou uma bola na intermediária e enfiou para Renato Gaúcho penetrar livre pela intermediária adversária, driblar o goleiro João Leite, empurrar para o gol vazio, e sair comemorando com o dedo indicador na boca, pedindo silêncio ao Mineirão lotado. Mengão 3 x 2, classificado para a final assegurada.

Finalíssima contra o Internacional. Os dois clubes tinham três títulos nacionais cada um. O Inter foi campeão em 1975, 1976 e 1979, reinou nos Anos 1970. O Mengo foi campeão em 1980, 1982 e 1983, e tinha o reinado dos Anos 1980. Quem vencesse seria o primeiro a atingir quatro títulos desde a implementação do formato de Campeonato Brasileiro, em 1971. O primeiro jogo foi no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, e terminou empatado em 1 x 1 (Bebeto para o Flamengo e Amarildo para o Inter). Jogo de volta numa tarde chuvosa de domingo no Maracanã. Logo no começo do jogo, Andrade enfiou um passe em profundida "açucarado" para Bebeto penetrar pela área e tocar na saída do goleiro Taffarel. 1 x 0. Foi tudo naquela tarde. foi o suficiente. Mengão mais uma vez campeão!


Nenhum comentário:

Postar um comentário