quinta-feira, 16 de junho de 2016

A Era de Ouro do basquete do Flamengo

A formação do time do Flamengo que veio a conquistar títulos nacionais em sequência, compondo a época mais vitoriosa da história do basquete do clube começou logo após o fim da temporada 2011-12. O Flamengo foi derrotado pelo São José nas semi-finais, fechando a série em 3 x 2, em 27 de maio de 2012. Uma semana depois, aconteceu a Final do NBB 2011-12, em 2 de junho de 2012. Menos de duas semanas depois do fim da temporada, o Flamengo anunciava um ousado pacote de reforços. Em 14 de junho de 2012, o clube oficializava a contratação de um novo treinador e de nada menos do que 7 jogadores. Chegavam José Neto como técnico, Kojo Mensah e Shilton, trio que havia defendido o Joinville na temporada anterior. E mais Marquinhos e Olivinha, do Pinheiros, e Vitor Benite, do Winner Limeira. Para fechar, voltava, após uma temporada pelo Tijuca Tênis Clube, o armador Gegê, que havia sido campeão da Liga de Desenvolvimento em 2011 com o Flamengo. Só três jogadores do elenco que jogou a temporada anterior permaneceriam: os irmãos Duda e Marcelinho, e o pivô Caio Torres. O Flamengo havia terminado a temporada 2011-12 em 4º lugar, seus novos contratados chegavam do Joinville, 8º lugar, do Winner Limeira, 9º lugar, e do Pinheiros, 3º lugar. A meta era desbancar o UniCeub Brasília, tri-campeão consecutivo nas temporadas 2009-10, 2010-11 e 2011-12.

Marcelinho, José Neto e Marquinhos

Foi uma reformulação total no time para jogar a temporada 2012-2013. Era o fim de um ciclo e hora de renovação para um grupo que havia dado as maiores conquistas da história do clube até então. Saíram: o técnico argentino Gonzalo Garcia (para o La Unión de Formosa), Federico Kammericks (para o Regatas Corrientes) e David Jackson (para o Gimnasia Indalo, de Comodoro Rivadavia), indo os três para a Liga Argentina. Foram dispensados: Guilherme Teichmann (foi para Franca), Hélio (foi para Limeira), Fred (foi para o Tijuca), Wágner (foi para o Paulistano), além de Átila Santos e do norte-americano Chris Hayes.

Alexandre Olivinha e Shilton: Mestres nos Rebotes

O período de 2008 a 2010 havia sido o mais vitorioso até então na história do basquete rubro-negro. O Flamengo foi Bi-campeão Nacional em 2008 e 2009, e vice-campeão em 2010, foi Campeão da Liga Sul-Americana em 2009, depois de já ter sido vice-campeão em 2008. O time campeão em 2008 era formado por Hélio, Duda, Marcelinho, Jéfferson William e Fernando Coloneze. O técnico era Paulo Chupeta. No banco estavam Fred, o cubano Amiel Vega, Fernando Mineiro, Guilherme Teichmann, Wágner e Alírio. Na temporada de 2009, um time mais forte, com o pivô Babby, ex-Toronto Raptors e Utah Jazz, tendo sido contratado, e formando o quinteto titular no lugar de Coloneze. Um grupo que ganhou tudo que disputou na temporada 2008-09. Na temporada seguinte perdeu Babby, que trocou o Flamengo pelo Paulistano, e quase foi tri-campeão nacional, perdendo a final para o Brasília por 76 x 74. Mas em 2010, além de perder a final do NBB, o Flamengo também perdeu a final da Liga Sul-Americana para o rival Brasília, levando a diretoria a tentar forçar uma primeira renovação. Paulo Chupeta foi trocado pelo técnico argentino Gonzalo Garcia, mas o Flamengo não passou de um 4º lugar no NBB 2010-11. Para a temporada seguinte, foram contratados o norte-americano David Jackson, o ala-pivô argentino Federico Kammerichs e o pivô Caio Torres. Com um novo 4º lugar na temporada 2011-12, a diretoria entendeu que era hora de uma renovação mais radical para voltar a vencer. E deu certo.

Marquinhos, Caio Torres e Marcelinho

O início do trabalho, no entanto, foi sob muitas dúvidas. Nas redes sociais e na imprensa especializada, o que mais se falava era que o novo elenco teria dificuldade para lidar com os conflitos de ego, o tom das opiniões era muito mais negativo do que positivo. O time de José Neto, em teoria, tinha a Kojo Mensah, Marcelinho Machado, Marquinhos, Alexandre Olivinha e Caio Torres como titulares e um banco de reservas para rotação com Gegê, Vitor Benite, Duda Machado e Shilton.

Marcelinho - Marquinhos - Vitor Benite

Marcelinho Machado
Carreira: 1996-97 Fluminense; 1997 Ginástico; 1998 Tijuca Tênis Clube; 1998-2001 Botafogo; 2001 Fluminense; 2002 Corínthians de Santa Cruz do Sul; 2002-03 Rimini (Itália); 2003-04 Lobos Cantabria (Espanha); 2004-05 Telemar Rio de Janeiro; 2005-06 Uberlândia; 2006-07 Zalgiris Kaunas (Lituânia); 2007-16 Flamengo.

Marquinhos
Carreira: 2002 Bauru; 2003 Vasco; 2004 Corinthians/Mogi; 2005 Pesaro (Itália); 2006 São Carlos; 2006-07 New Orleans Hornets (NBA); 2008 Tulsa 66ers (EUA); 2008 Memphis Grizzles (NBA); 2009 Pinheiros; 2009-10 Montegranaro (Itália); 2010-12 Pinheiros; 2012-16 Flamengo.

Vítor Benite
Carreira: 2008 Ulbra Rio Claro; 2008-09 Pinheiros; 2009-11 Franca; 2011-12 Winner Limeira; 2012-15 Flamengo; 2015-16 Murcia (Espanha).

Gegê
Carreira: 2007 Tijuca Tênis Clube; 2008-10 Torrejón (Espanha); 2010-11 Flamengo; 2011-12 Tijuca; 2012-16 Flamengo.

Alexandre Olivinha
Carreira: 2001 Grajaú Country Clube, 2002-04 Flamengo, 2004-05 Corinthians/Mogi, 2005-06 Telemar Rio de Janeiro, 2006-07 Flamengo, 2007-08 Barreteros de Zacatecas (México), 2008-09 Uberlândia; 2009-12 Pinheiros; 2012-16 Flamengo.

Gegê - Olivinha

No 1º turno da Fase Regular, desempenho impecável: 17 jogos e 17 vitórias. O time ainda teve que superar a perda de Marcelinho, que sofreu grave lesão no joelho logo nas primeiras rodadas e ficou fora de todo o resto da temporada. Como o armador norte-americano filho de ganeses, Kojo, era o único estrangeiro no grupo, e o regulamento permitia o uso de até três estrangeiros por equipe, o Flamengo foi atrás de uma peça de reposição para suprir a ausência de Marcelinho, contratando o ala paraguaio Bruno Zanotti. Na Liga Sul-Americana, avançou nas duas primeiras fases, com uma derrota em 6 jogos (para o Peñarol de Mar Del Plata, da Argentina), e chegou ao Quadrangular Final contra Peñarol e Regatas Corrientes, ambos da Argentina, e UniCeub Brasília, jogando em Corrientes, na Argentina. O Flamengo venceu o Peñarol (79 x 78), perdeu para o Brasília (74 x 85) e venceu o Regatas (82 x 81), terminando em 3º lugar. No returno da Temporada Regular do NBB 2012-13, foram 13 vitórias em 17 jogos, perdendo para Franca (no Rio), Brasília (fora), Bauru (no Rio) e Pinheiros (fora). Terminou em 1º lugar, com três vitórias a mais do que o 2º colocado, o UniCeub Brasília. Fez 3 x 0 no Paulistano nas quartas de final e 3 x 2 no São José na semi-final. A final, em jogo único, na Arena Olímpica da Barra, terminou com vitória de 77 x 70 sobre o Uberlândia.

Marquinhos foi escolhido MVP do NBB 2012-13 e Caio Torres foi escolhido MVP da Final 2013.

Mesmo campeão, o Flamengo decidiu realizar mudanças para a temporada 2013-14. Com a volta de Marcelinho, optou por não renovar o contrato de Zanotti. Decidiu trocar duas peças a mais, optando por não renovar os contrato de Kojo e Duda. Ademais, não chegou a um acordo quanto ao tempo de um novo contrato com Caio Torres, que aceitou oferta da equipe de São José dos Campos. Com isto seriam feitas três contratações para reforçar o grupo. A vitória sobre o Uberlândia foi em 1 de junho de 2013. Em 20 de junho foi anunciada a contratação do armador argentino Nicolás Laprovittola, do Lanus. Em 25 de junho foi anunciada a contratação do pivô norte-americano Jerome Meyinsse, do Regatas Corrientes, da Argentina. E em 2 de julho foi confirmada a contratação de outro pivô, o jovem Cristiano Felício. O objetivo da reformulação estava claro: a troca de Kojo por Nico era a troca de um armador rápido e bom em infiltrações por um que pensasse e cadenciasse mais o ritmo da equipe. Meyinsse era um reposição direta à perda de Caio, e a troca de Duda por Felício era para reduzir o jogo no perímetro, com arremessos de longa distância, e levá-lo mais para dentro do garrafão. Mudanças estratégicas, meticulosamente pensadas por José Neto.

Kojo Mensah - Duda Machado

Kojo Mensah
Carreira: 2004-06 Siena College (EUA); 2006-08 Duquesne Dukes (EUA); 2008-09 Cocolos de San Pedro (Rep. Dominicana); 2009 Anastasia de Fray Bentos (Uruguai); 2010 Cangrejeros de Cartagena (Colômbia); 2010-11 Panteras de Miranda (Venezuela); 2011-12 Joinville; 2012-13 Flamengo; 2013-14 Gigantes de Guayana (Venezuela); 2014 Gaiteros de Zulia (Venezuela); 2015 Huracanes del Atlantico (Rep. Dominicana); 2015-16 Universo Vitória.

Duda Machado
Carreira: 2000-02 Fluminense; 2002-03 Londrina; 2003-04 Flamengo; 2004-05 Winner Limeira; 2005-07 Universo Brasília; 2007-13 Flamengo; 2013-14 Macaé; 2014-15 Rio Claro; 2015-16 Basquete Cearense.

Bruno Zanotti
Carreira: 2001-04 Deportivo San Jose (Paraguai); 2006-07 Reggiana (Itália); 2007-08 Herens Sion (Itália); 2008 Deportivo San Jose (Paraguai); 2009 Libertad Sunchales (Argentina); 2009-10 Regatas Corrientes (Argentina); 2010-11 Club 9 de Julio (Argentina); 2011 Lanus (Argentina); 2012 Regatas Corrientes (Argentina); 2012-13 Flamengo; 2013-14 Libertad Sunchales (Argentina); 2014-15 Felix Perez (Paraguai); 2015-16 Libertad (Paraguai).

Caio Torres
Carreira: 2002-04 Pinheiros; 2005 Paulistano; 2005-08 Estudiantes (Espanha); 2008-09 Melilla (Espanha); 2009-11 Vive Menorca (Espanha); 2011-13 Flamengo; 2013-15 São José; 2015-16 Paulistano.

Caio Torres - Bruno Zanotti

As mudanças propostas deram muito certo. O desempenho na temporada 2013-14 foi espetacular. A começar pelo segundo título em três edições da Liga de Desenvolvimento. O clube, liderado por Gegê e Fred Duarte, havia sido campeão na 1ª edição, e jogando com Gegê, Luís Otávio Chupeta, Diego Marques, Douglas Correa e Cristiano Felício, com Paulo Chupeta como técnico, foi Campeão Brasileiro Sub-22. No NBB o Flamengo, no 1º turno da Temporada Regular o time obteve 13 vitórias em 16 jogos, perdendo para Pinheiros, Minas Tênis Clube e São José. O elenco voltou a ter uma baixa em função de uma grave lesão no joelho, desta vez a baixa foi Vitor Benite, que também perdeu grande parte da temporada. Com dois estrangeiros no elenco, o clube voltou a deixar margem para uma contratação de emergência, e pode usá-la com a perda de Benite. Para suprir sua ausência, foi contratado o veterano ala norte-americano Dartona Tony Washam.

Tony Washam
Carreira: 2001-05 Saint Vincent College (EUA); 2005-06 Akron Goodyear Wingfoots (EUA); 2006-07 Bragado (Argentina); 2007-08 Hapoel Holon (Israel); 2008-09 Nahariya (Israel); 2009-10 Netanya (Israel); 2010-11 Hyeres Toulon (França); 2011-12 Obras Sanitarias (Argentina); 2012-13 Regatas Corrientes (Argentina); 2013 Obras Sanitarias (Argentina); 2014 Flamengo; 2015 Regatas Corrientes (Argentina); 2015-16 Libertad Sunchales (Argentina).

Não disputou a Liga Sul-Americana, e fez bonito na Liga das Américas, principal competição do continente. Avançou nos quadrangulares das duas primeiras fases sem derrotas. Jogou as Finais no Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, batendo o Aguada, do Uruguai na semi-final (113 x 81) e vencendo ao Pinheiros na final (85 x 78). Foi campeão continental, garantindo o direito de enfrentar o campeão europeu pela Copa Intercontinental no início da temporada seguinte. No returno da Fase Regular do NBB, obteve 13 vitórias em 16 jogos, perdendo para Pinheiros, Macaé e Mogi das Cruzes. Terminou a 1ª fase novamente em 1º lugar, com 26 vitórias, três a mais do que o 2º colocado, o Paulistano. Nas quartas de final fez 3 x 1 no Bauru, e na semi-final fez 3 x 1 no Mogi. Foi para a final em jogo único novamente na Arena Olímpica da Barra, desta vez contra o Paulistano, a quem venceu por 78 x 73.   

O time multi-campeão: Laprovittola, Marcelinho, Marquinhos, Olivinha e Meyinsse. No banco estavam Gegê, Washam, Felício e Shilton. Na temporada, Marcelinho Machado foi o MVP da Liga das Américas e Jerome Meyinsse foi o MVP da Final 2014 do NBB.         

Laprovittola - Meyinsse

Nicolás Laprovittola
Carreira: 2008-13 Lanus (Argentina); 2013-15 Flamengo; 2015 Lietuvos Rytas (Lituânia); 2016 Estudiantes (Espanha)

Jerome Meyinsse
Carreira: 2006-2010 Virginia University (EUA); 2010-11 Club 9 de Julio (Argentina); 2011-12 Estudiantes de Bahía Blanca (Argentina); 2012 Juventud Sionista (Argentina); 2012-13 Regatas Corrientes (Argentina); 2013 Trotamundos (Venezuela); 2013-16 Flamengo

Cristiano Felício
Carreira: 2009-12 Minas Tênis; 2012-13 Young Basketball Academy (EUA); 2013-15 Flamengo; 2015-16 Chicago Bulls (NBA)

Cristiano Felício

Apesar do espetacular desempenho na temporada 2013-14, campeão de tudo que disputou, o Flamengo queria ainda mais, principalmente porque para a temporada seguinte, além de defender os títulos que havia conquistado, tinha por jogar a Copa Intercontinental contra o Maccabi Tel Aviv, de Israel, e havia sido convidado para jogar amistosos na Pré-Temporada da NBA, tendo tido a honra de ser a primeira equipe latino-americana convidada para enfrentar equipes da liga profissional dos EUA. A diretoria decidiu não renovar com dois jogadores: Washam e Shilton. O norte-americano tinha sido contratado apenas para suprir a lesão de Benite, mesmo papel de Zanotti na temporada anterior suprindo a ausência de Marcelinho. E decidiu fazer a substituição de Shilton não por qualquer jogador, mas por um Campeão Olímpico. A temporada 2013-14 terminou com a conquista sobre o Paulistano em 31 de maio de 2014, em 1 de agosto o Flamengo anunciou a contratação do ala-pivô argentino Wálter Herrmann, MVP da Liga Argentina 2013-14 com o Atenas de Córdoba, Medalha de Ouro com a Seleção da Argentina na Olimpíada de 2008, MVP da Liga da Espanha em 2003, ex-jogador de Detroit Pistons e Charlotte Bobcats. O campeão olímpico chegava ao Flamengo já aos 35 anos, mas dono de uma técnica ainda refinada.

Shiltão da Nação

Shilton
Carreira: 2000 São Bernardo; 2001-02 Pinheiros; 2003 Automóvel Clube de Campos; 2004 São Bernardo; 2005-12 Joinville; 2012-14 Flamengo; 2014-16 Minas Tênis.

Wálter Herrmann
Carreira: 1996-2000 Olímpia de Venado Tuerto (Argentina); 2000-02 Atenas de Córdoba (Argentina); 2002-03 Fuenlabrada (Espanha); 2003-2006 Unicaja Málaga (Espanha); 2006-2007 Charlotte Bobcats (NBA); 2007-2009 Detroit Pistons (NBA); 2009-2011 Caja Laboral Baskonia (Espanha); 2011-2013 Unión de Venado Tuerto (Argentina); 2013-2014 Atenas de Córdoba (Argentina); 2014-2015 Flamengo; 2015-16 San Lorenzo (Argentina).

Wálter Herrmann

A temporada se iniciou com a espetacular conquista de Campeão Intercontinental. Pontualmente, para a disputa dos dois duelos e a excursão aos EUA, foi contratado o pivô Derrick Caracter, ex-jogador do Los Angeles Lakers. Pelo Mundial de Clubes, foram dois jogos na Arena Olímpica da Barra da Tijuca, com uma derrota por 66 x 69 no primeiro duelo e uma vitória arrebatadora por 90 x 77 que deu o título mundial à equipe rubro-negra. Na sequência, três jogos históricos nos Estados Unidos, ainda que com três derrotas, mas três derrotas dignas diante da nata do basquete mundial: 88 x 100 contra o Pheonix Suns, 88 x 106 contra o Orlando Magic, e 72 x 112 contra o Memphis Grizzlies. Mostrando toda a versatilidade e qualidade do elenco, o MVP do Intercontinental foi Nico Laprovittola. Ele, Marcelinho, Marquinhos e Meyinsse, quatro MVPs diferentes.

Derrick Caracter
Carreira: 2006-08 Louisville Cardinals (NCAA, EUA), 2009-10 UTEP Miners (NCAA, EUA), 2010-11 Los Angeles Lakers (NBA); 2011 Bakersfield Jam (D-League, EUA); 2012 Los Angeles D-Fenders (D-League, EUA); 2012 Rio Grande Valley (D-League, EUA); 2012 Idaho Stampede (D-League, EUA); 2012 Mets de Guaynabo (Porto Rico); 2012-13 Bnei Herzliya (Israel); 2013 Pieno Zvaigzdes (Lituânia); 2014 Idaho Stampede (D-League, EUA); 2014 Flamengo; 2014-15 Batang Pier (Filipinas); 2015-16 Hapoel Ramat (Israel).

Marquinhos Souza e Wálter Herrmann

O início agitado de temporada refletiu no desempenho do time em quadra. Já sem Derrick Caracter, o Flamengo teve um início de temporada bastante irregular. No turno da 1ª fase do NBB 2014-15, foram 9 vitórias em 15 jogos, com derrotas para o Minas, Uberlândia, Macaé, Pinheiros, Winner Limeira e Bauru. Na Liga das Américas 2015, avançou nos quadrangulares das duas primeiras fases com cinco vitórias em seis jogos, tendo perdido para o Pioneros de Quintana Roo, no México. O Final Four foi pelo segundo ano consecutivo no Maracanãzinho. Esperava-se uma final brasileira entre Flamengo e Bauru, mas o time rubro-negro caiu na semi-final, diante do mesmo algoz mexicano da 1ª fase, perdendo por 81 x 82, na prorrogação, para o Pioneros. No returno do NBB, o grupo engrenou, obtendo 14 vitórias em 15 jogos, perdendo apenas para Bauru. Nas quartas de final superou o São José por 3 x 2 e na semi-final varreu o Winner Limeira por 3 x 0. A final, desta vez em melhor de três jogos, foi diante do Bauru, Campeão da Liga Sul-Americana e da Liga das Américas na temporada 2014-15, e dono da melhor campanha na Temporada Regular, na qual superou o Flamengo nos dois confrontos diretos. Mas o Flamengo se agigantou, venceu sem dificuldades, por implacáveis 91 x 69 na Arena Olímpica da Barra da Tijuca, e por 77 x 67 em São Paulo, fechando a série em 2 x 0. Nico Laprovittola foi eleito o MVP da Final 2015.

A temporada 2014-15 terminou com a vitória sobre Bauru em 30 de maio de 2015. Só o técnico José Neto, Olivinha e Meyinsse tinham contratos assinados para a temporada 2015-16. Certamente haveria uma reformulação do grupo. Os anúncios começaram a ser feitos em 9 de julho, dia no qual foram divulgadas as assinaturas de pré-contratos com Marquinhos e Vitor Benite. No dia seguinte divulgou-se as renovações de Marcelinho e Gegê. Em 12 de julho foi anunciada a primeira baixa: o jovem pivô Cristiano Felício assinou contrato de dois anos com o Chicago Bulls, rumando para a NBA. A despedida dos argentinos Nico e Herrmann também estava encaminhada. Laprovittola realizou seu sonho de jogar na Europa (acabou indo ao Lietuvos Rytas, da Lituânia) e o desejo de seu compatriota era voltar à Liga Argentina (foi para o San Lorenzo). As peças foram supridas em alto nível, com dois jogadores que recém tinham obtido a Medalha de Ouro com a Seleção Brasileira no Pan 2015. Quatro dias após o anúncio de Felício, em 16 de julho, o Flamengo fechou com o experiente pivô JP Batista, vindo de 7 anos de atuação na Liga Francesa. E em 31 de julho anunciou a contratação do armador Rafael Luz. No mesmo dia, porém, outra baixa, Vitor Benite pagou a multa rescisória e assinou com o Murcia, da Espanha. Em 31 de agosto foi anunciado seu substituto, o norte-americano Jason Robinson, que estava no Zaragoza, da Espanha. Em 3 de outubro Flamengo anunciou a contratação do ala-pivô Rafael Mineiro. Reposições de altíssimo nível para as quatro perdas no elenco.

Rafa Luz, JP Batista, Jason Robinson e Rafael Mineiro

A temporada começou mais uma vez agitada. Se na temporada anterior, o Flamengo tinha sido a primeira agremiação da América Latina convidada para participar da Pré-Temporada da NBA, desta vez foi o primeiro anfitrião de uma equipe da NBA, tendo recebido o Orlando Magic, como parte do NBA Global Games 2015, na HSBC Arena. Acabou derrotado por 90 x 73. Já na Liga Nacional, no Turno, o time rubro-negro venceu 11 de seus 14 jogos, tendo perdido para Bauru, Paulistano e Pinheiros. Tendo reservado uma vaga de estrangeiro no elenco para suprir eventuais contusões, o Flamengo deixou o ano virar para anunciar sua última peça. Em 4 de janeiro de 2016 anunciou a contratação do armador dominicano Ronald Ramon.

Ronald Ramon

Rafael Luz
Carreira: 2010 Unicaja Málaga (Espanha); 2011 Axarquía (Espanha); 2011 Granada (Espanha); 2011-12 Alicante (Espanha); 2012-15 Obradoiro (Espanha); 2015-16 Flamengo.

Jason Robinson
Carreira: 2000-01 Universidade de Buffalo (NCAA, EUA); 2002-03 Pikeville College (NAIA, EUA); 2004-06 Sangalhos (Portugal); 2006-07 Belenenses (Portugal); 2007 Huesca La Magia (Espanha); 2007-08 KCC Egis (Coréia do Sul); 2008-09 Gandia (Espanha); 2009 Melilla (Espanha); 2010-12 Valladolid (Espanha); 2012-13 Gimnasia Indalo (Argentina); 2013 Valencia (Espanha); 2013-14 Gipuzkoa (Espanha); 2014-15 Zaragoza (Espanha); 2015-16 Flamengo.

JP Batista
Carreira: 2004-06 Gonzaga University (NCAA, EUA); 2006-08 Lietuvos Rytas (Lituânia); 2008 Barons Riga (Letônia); 2008-14 Le Mans (França); 2014-15 Limoges (França); 2015-16 Flamengo.

Rafael Mineiro
Carreira: 2008-09 Paulistano; 2009-11 São José; 2011-14 Pinheiros; 2014-15 Winner Limeira; 2015-16 Flamengo.

No Returno do NBB foram 12 vitórias em 14 jogos, com derrotas para Basquete Cearense e Brasília, e uma campanha suficiente para lhe assegurar a 1ª colocação da Fase Regular. Frustração apenas porque acabou mais uma vez derrotado na semi-final da Liga das Américas, perdendo para o rival Bauru. Foi o terceiro Final Four consecutivo disputado pelo clube. Insucesso no exterior, sucesso em casa. O Flamengo superou o Rio Claro por 3 x 0 nas quartas de final. Depois teve uma série duríssima contra o Mogi das Cruzes na semi-final, a qual venceu por 3 x 2, postulando-se a enfrentar Bauru na final. Foi uma batalha duríssima. O rubro-negro venceu fora o 1º jogo, mas perdeu o 2º em casa. A série acabou sendo decidida no 5º jogo, na Arena Olímpica 2, então recém inaugurada para as Olimpíadas de 2016. Massacrou o adversário por 100 x 66 e se sagrou Tetra-campeão Brasileiro 2013-14-15-16, somando seis títulos nacionais, acumulando ao time que foi Bi-campeão Brasileiro 2008-09. O MVP das Finais foi Alexandre Olivinha. E o MVP do campeonato foi Marquinhos.

Só uma vez na história do basquete brasileiro uma equipe havia conquistado quatro títulos nacionais consecutivos, o Monte Líbano, de São Paulo, nos Anos 1980. Com 6 títulos nacionais, o Flamengo se aproximava dos 7 títulos conquistados pelo Sirio nos Anos 1960, 1970 e 1980. Uma sequência histórica!

Nenhum comentário:

Postar um comentário